MOBILIZAÇÃO

Servidores da UFPB param nesta sexta (12) contra a reforma da previdência

Funcionários também protestaram esta manhã (11) em defesa das 30 horas

Brasil de Fato | João Pessoa (PB)

,
Assembleia do SintesPB realizada nesta quarta (10) na UFPB, campus João Pessoa. / Assessoria SintesPB

Os servidores da UFPB reunidos na manhã desta quarta-feira (10), em assembleia geral convocada pelo SINTESPB, aprovaram a realização de ato público em defesa das 30 horas, que aconteceu nesta quinta-feira (11), durante a manhã, em frente à Reitoria e resolveram também paralisar as atividades na próxima sexta-feira, 12 de julho, Dia Nacional de Luta pela educação, emprego e aposentadoria. 

A Assembleia  teve início com informes gerais e logo em seguida se passou a discutir a problemática do fim do horário corrido, que a administração central da UFPB quer acabar já partir de agosto. A vice-presidente do SINTESPB, Mirela Rocha, que faz parte da comissão criada para discutir essa questão, apresentou as últimas informações sobre a quanto anda a discussão sobre o assunto. 

Na oportunidade,  a diretoria do SINTESPB referendou sua posição contrária à proposta da Reitoria e reafirmou a defesa da jornada ininterrupta de 30 horas, no entanto sensibilizou os servidores presentes da necessidade de toda categoria se engajar nesta luta ”O Sindicato sozinho não vai ganhar essa batalha, se faz necessário que toda categoria pressione, se mobilize e lute para que a conquista da jornada ininterrupta na UFPB não seja colocada abaixo”, disse a presidente Geralda Victor. 

Os técnico-administrativos da UFPB deliberaram ainda por várias ações a exemplo da criação de comissões setoriais, elegendo representantes, elaborar justificativas para setores semelhantes, solicitar à reitora prorrogação do prazo para entrada em vigor do novo expediente e que o Sindicato promova um evento ou elabore um material para esclarecer sobre as mudanças que estão sendo encaminhadas ao Congresso da reforma da previdência, sugeriram  ainda solicitar a contribuição do advogado e técnico-administrativo Fábio Abrantes, especialista no assunto. 

Como último ponto de pauta, a categoria presente à assembleia aprovou paralisar suas atividades no dia 12 de julho e se integrar às atividades que estão sendo organizadas pelas centrais sindicais para o Dia Nacional em defesa da Educação, Emprego e Aposentadoria, qu em João Pessoa, de acordo com a plenária das centrais e movimentos sociais, terá como palco a Lagoa, onde além de tendas para colher assinatura para o abaixo assinado contra a reforma, haverá panfletagem nas paradas de ônibus e um ato público, às 15 horas.

Edição: Heloisa de Sousa