Relações Exteriores

“Bolsonaro não é bem-vindo a Portugal”, afirma Joana Mortágua, deputada portuguesa

Parlamentares pediram o cancelamento da visita do presidente brasileiro, prevista para 2020

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

“É inaceitável um líder democrático utilizar a morte e a ditadura de forma leviana e provocatória", afirma Mortágua
“É inaceitável um líder democrático utilizar a morte e a ditadura de forma leviana e provocatória", afirma Mortágua - Foto: Twitter/Joana Mortágua

Na quinta-feira (1), parlamentares portugueses do partido Bloco de Esquerda pediram ao Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal que cancele a visita do presidente brasileiro Jair Bolsonaro (PSL) àquele país, que estaria prevista para o início de 2020.

Continua após publicidade

Os parlamentares criticaram as declarações do brasileiro sobre Fernando Souza Cruz, militante da Ação Popular que foi assassinado pela ditadura militar. Em entrevista ao Brasil de Fato, a deputada Joana Mortágua criticou o presidente brasileiro.

Continua após publicidade

“O Bloco de Esquerda achou que era importante sinalizar, neste momento, que Bolsonaro não é bem-vindo a Portugal. As visitas de Estado têm significados e leituras políticas. Isso, em nada prejudica nossa relação com o povo brasileiro, com o Estado brasileiro, mas nós entendemos que a comunidade internacional tem que estar atenta a líderes políticos eleitos como Bolsonaro, que depois desenvolvem atitudes, comportamentos e discursos que não estão compatíveis com as regras básicas democracia”.

Continua após publicidade

Apesar da preocupação, ainda não existe visita oficialmente marcada, segundo o governo português. "Não consigo cancelar viagens que não estão programadas", resumiu Augusto Santo Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros.

Continua após publicidade

Troça das vítimas

No comunicado do Bloco de Esquerda, o partido afirma que “os portugueses não podem manter-se indiferentes frente a um presidente que, como diz a Ordem dos Advogados do Brasil, parece ignorar os fundamento do Estado Democrático de Direito, entre eles a dignidade da pessoa humana, na qual se inclui o direito ao respeito da memória dos mortos”.

Ainda de acordo com os parlamentares, caso Portugal insista em receber Bolsonaro, será “conivente com a constante falta de respeito à democracia demonstrada pelo atual governo.”

Mortágua lamenta que Bolsonaro se coloque ao lado da ditadura militar e não das vítimas do regime - que durou de 1964 e 1985.

“Então, é uma atitude de fazer troça das vítimas e usar a dor dessas famílias como forma de arremesso político. É inaceitável um líder democrático, em um mundo democrático, utilizar a morte e a ditadura de forma leviana e provocatória, sem respeito por princípios básicos dos direitos humanos, que a comunidade internacional deve preservar. Nesse sentindo, entendemos que Portugal não deve receber Bolsonaro”, encerra.

O presidente socialista Marcelo Rebelo de Sousa, que é apoiado pelo Bloco de Esquerda, veio ao Brasil em janeiro para acompanhar a posse de Bolsonaro.

Edição: João Paulo Soares