Amazônia

Em julho, áreas com alerta de desmatamento aumentaram 278% em relação a 2018

Dados do Inpe mostram devastação ainda maior do que a registrada em junho, que gerou ataques de Bolsonaro

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Área devastada no oeste da floresta amazônica / Carl de Souza / AFP

Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que as áreas com alerta de desmatamento na Amazônia aumentaram 278% em julho deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2018.

As informações foram colhidas pelo programa de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), que monitora em tempo real e emite os alertas.

No mês passado, houve aumento de 88% do desmatamento no comparativo de junho 2018/2019. A divulgação do número motivou uma série de ataques do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao instituto. 

Bolsonaro desqualificou os dados e chegou a afirmar que o diretor do Instituto, Ricardo Galvão, poderia “estar a serviço de alguma ONG”. Em resposta, Galvão defendeu a precisão da coleta e afirmou que as declarações do presidente pareciam vindas de “um garoto de 14 anos”.

Na linha do chefe, o ministro Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, disse ter “estranheza” em relação aos dados, enquanto Ricardo Salles, do Meio Ambiente, foi taxativo ao afirmar que estavam incorretos. Salles chegou a dizer que Inpe reconhecia o suposto erro, sendo na sequência desmentido pelo instituto. 

Para Bolsonaro, os dados do desmatamento foram “espancados” e veiculados com o objetivo de “atingir o nome do Brasil e do atual governo”.

Na sexta-feira (2), Ricardo Galvão foi exonerado da diretoria do Inpe.

Hoje, as informações referentes ao desmatamento são públicas e estão disponíveis no site do Inpe.  

Edição: João Paulo Soares