LGBT+

No mês da visibilidade lésbica, mulheres organizam "Ocupa Sapatão" no Rio de Janeiro

Cinelândia recebe pelo terceiro ano consecutivo programação com debates e atividades culturais no dia 29 de agosto

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,

Ouça o áudio:

Atividade acontece no Dia Nacional da Visibilidade Lésbica em frente a Câmara Municipal do Rio / Ocupa Sapatão

Pelo terceiro ano consecutivo, mulheres lésbicas do Rio de Janeiro organizam o "Ocupa Sapatão" no Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, 29 de agosto. As atividades começam na quinta-feira (29), a partir das 14h, na Cinelândia em frente a Câmara Municipal. Este ano, o evento com debates e apresentações culturais traz como tema a vida das mulheres lésbicas e a luta pela desmilitarização das ruas na cidade. 

O Dossiê Lesbocídio no Brasil indica que o assassinato de mulheres por conta da sua orientação sexual aumentou 150% entre 2014 e 2017. A discriminação da mulher pela sua condição homossexual na sociedade também se expressa na ausência de dados oficiais, segundo Camila Marins, jornalista e editora da Revista Brejeiras, publicação cooperativa de e para mulheres lésbicas.

“Precisamos de uma política que notifique quantas lésbicas estão acessando serviços públicos de saúde, educação, moradia. Quando falamos de visibilidade, falamos de formulação de políticas públicas específicas de mulheres lésbicas que, por exemplo, tem dificuldade nos consultórios ginecológicos. É também ser contra violência policial porque mulheres lésbicas moradoras de favelas são lidas como masculinizadas e estão tomando dura da polícia militar”, disse a jornalista em entrevista ao Programa Brasil de Fato.

Segundo o Atlas da Violência deste ano, com dados do Disque 100, o número de homicídios contra a população LGBT+ no Brasil deu um salto nos últimos seis anos, saindo de um total de 5 casos, em 2011, para 193 casos, em 2017. Apenas no Rio de Janeiro foram registradas 181 denúncias de lesão corporal, homicídio ou tentativa de homicídio contra pessoas gays, lésbicas ou transsexuais. 

Visibilidade

O Dia Nacional da Visibilidade Lésbica foi escolhido durante a realização do I Seminário Nacional de Lésbicas (SENALE), que ocorreu em 29 de agosto de 1996. Há dois anos, a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro rejeitou um Projeto de Lei da vereadora Marielle Franco (Psol) para incluir no calendário oficial da cidade o dia da visibilidade lésbica. 

Apesar da derrota no plenário da casa legislativa, a luta das mulheres lésbicas no Rio de Janeiro continua forte e nas ruas. Para Camila Marins, a Revista Brejeiras é um movimento que contrapõe as narrativas impostas pela mídia comercial sobre a vivência das mulheres lésbicas.

“Queremos que essas narrativas atinjam toda a população, mostramos principalmente a possibilidade de um bem-viver, nossas potências e outras narrativas afirmativas. Não apenas criminalizadas ou fetichizadas pela mídia privada”, completa.

Serviço:

Data: 29 de agosto (quinta-feira)

Local: Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Praça Floriano, s/n - Centro

Horário: 14h

Para mais informações, acompanhe o evento no Facebook.

Edição: Mariana Pitasse