Respeitem o “pofexô”!

Imagem de perfil do Podcast
Papo Esportivo

Ouça o áudio:

Técnico Vanderlei Luxemburgo é o grande nome do Vasco na temporada / Rafael Ribeiro / vasco.com.br
De aposentado e ultrapassado, Luxemburgo vai recuperando o prestígio aos poucos

Quem acompanha o velho e rude esporte bretão sabe muito bem que ele costuma nos reservar coisas interessantíssimas. Histórias de superação, de recuperações, vitórias impossíveis, viradas inesquecíveis e o ressurgimento daqueles que julgávamos aposentados e enterrados para o futebol.

Sim, meu amigo. Essa coluna vai tratar de Vanderlei Luxemburgo.

É público e notório que as coisas mudaram demais nos últimos 20 anos, seja em termos táticos, de preparação física ou até mesmo de gestão de uma equipe. Quem cochilou, dançou e viu a banda passar. Simples. O atual técnico do Vasco era apontado como um desses treinadores que cochilaram e não acompanharam a evolução do futebol. Tanto que vários torcedores e analistas colocaram o Trem Bala da Colina como candidato ao rebaixamento no Brasileirão deste ano.

Luxa assumiu o time, soltou algumas das suas famosas pérolas e começou o trabalho. E não é exagero nenhum dizer que o Vasco é outro completamente diferente daquele de dois, três meses atrás.

Observemos a atuação da equipe cruzmaltina na vitória por 2 a 0 sobre o São Paulo neste domingo (25). Teve gente que torceu o nariz para os tais 4 volantes escalados pelo “pofexô”. Mas o que se viu foi um time aguerrido, que marcava em cima e saía em alta velocidade para o ataque. Nomes como Raul, Leandro Castán, Yago Pikachu e Richard estão rendendo demais com Luxemburgo. Mas tem um nome que merece atenção especial.

Falo do garoto Talles Magno.

A sua evolução é nítida. O jogador rápido, porém afobado, vai dando lugar a um atleta mais consciente taticamente falando e mais inteiro. O posicionamento em campo melhorou, assim como as conclusões a gol. O mesmo pode ser dito de Marrony, outro que subiu muito de rendimento nas últimas partidas.

Podem até falar que o São Paulo foi prejudicado pela expulsão (justa, na humilde opinião deste colunista) de Raniel ainda no primeiro tempo. Mas o Vasco já mandava no jogo em igualdade de condições. E todos esses elementos, toda essa “nova fase” do Vasco possuem um elemento em comum: o técnico Vanderlei Luxemburgo.

De aposentado e ultrapassado, o “pofexô” vai recuperando o prestígio aos poucos, de mansinho e sem as bravatas de antigamente. Tá bom, uma ou outra. Até porque o personagem não pode morrer, não é?

Aceitem, amigos. O “pojeto” voltou. E com força.

Grandes notícias no Flamengo

Não é só a boa vitória do Flamengo sobre o Ceará que merece aplausos. Além de assumir a liderança do Brasileirão, o elenco vai contar com o retorno de Cuellar. O colombiano havia pedido para não jogar no domingo passado (25), mas foi reintegrado ao elenco. Um senhor reforço para o jogo contra o Internacional nesta quarta-feira (28).

Oswaldo de Oliveira assumiu o Fluminense

Oswaldo de Oliveira chegou, falou em “continuação do trabalho de Fernando Diniz” e sobre rusgas do passado ao assumir o Fluminense oficialmente. Tudo muito bonito, tudo muito legal, mas o torcedor quer ver é bola na rede e o time livre de qualquer chance de rebaixamento. Hoje, me atrevo a dizer que a Copa Sul-Americana deixou de ser prioridade. O negócio é salvar o pescoço no Brasileirão.

Tudo ainda muito nebuloso no Botafogo

O Botafogo anunciou na semana passada que os Irmãos Moreira Salles completaram o estudo sobre as finanças do clube. A situação é crítica e pede atenção e dedicação de todos que amam o clube. Dentro e fora dele. Mas todo esse trabalho não vai adiantar nada se a equipe não fizer sua parte dentro de campo. Essa é a saída. Simples.

Edição: Brasil de Fato (RJ)