Coluna

O mentiroso e os jornalistas

Imagem de perfil do Colunista
04 de Setembro de 2019 às 11:01

Ouça o áudio:

Se desmentisse o Zeca, levaria uma surra do Zeca, que era bem maior do que ele. / Pixabay
Era tido como o maior mentiroso de uma cidade pequena de Minas Gerais

Já contei aqui, há muito tempo, uma historinha de um homem que era tido como o maior mentiroso de uma cidade pequena de Minas Gerais.

Contava suas mentiras com a maior seriedade e não admitia que duvidassem. Se alguém falasse que era mentira, ele partia pra briga. Então nem vou falar o nome dele. Vamos dizer que era Zeca.

Nova Resende, a minha terra, é uma cidade que fica no topo de uma montanha, é alta, e tem um clima muito bom. Não era incomum pessoas de lá chegarem aos cem anos de idade.

Quando a revista Veja começou a circular, há mais de 50 anos, mandou um repórter e um fotógrafo à cidade, para fazerem uma matéria sobre a longevidade dos moradores e outras curiosidades que pudessem interessar aos leitores.

Os jornalistas viram e ouviram tantas coisas esquisitas que acharam essas coisas mereciam lugar de destaque na reportagem.

Saíram perguntando sobre coisas e acontecimentos anormais, mas sem usar a palavra anormal, para não ofender. Falavam de “coisas interessantes”, diferentes, que aconteciam na cidade e no município.

Num bar, encontraram o Zeca, o mentiroso sobre quem já falei, tomando cerveja com o Tião, os dois encostados no balcão. Puxaram conversa com eles:

⸺ Nós somos de uma revista de São Paulo e estamos fazendo uma reportagem sobre coisas “diferentes” que existem aqui. Vocês sabem de alguma coisa interessante?

O Zeca não se fez de rogado:

⸺ O lugar que tem mais coisa esquisita aqui no nosso município é na roça, aqui perto, no bairro do Cafundó. Lá tem inclusive um homem de sete braços.

⸺ Sete braços!? ⸺ exclamaram os jornalistas, incrédulos.

O Zeca insistiu, indicando o amigo:

⸺ Pois é verdade. Se vocês tão duvidando, perguntem ao Tião…

Os jornalistas olharam para o Tião e ficaram esperando uma resposta. 

O Tião se sentia incomodado: se desmentisse o Zeca, levaria uma surra do Zeca, que era bem maior do que ele; se confirmasse a história, ia passar por mentiroso, com fotografia e tudo na revista, porque o fotógrafo não parava de fotografar.

Bebericou calmamente a cerveja enquanto pensava, deu um murro no balcão e respondeu:

⸺ Olha… pra falar a verdade, o homem mesmo eu nunca vi. Mas já vi uma camisa dele pendurada no varal.



 

Edição: Michele Carvalho