Meio ambiente

Em manifesto, sociedade civil pede apoio político para Greve Mundial pelo Clima

Documento traz 15 pontos de reivindicação, como fortalecimento de órgãos ambientais e cumprimento do Acordo de Paris

Brasil de Fato | Brasília (DF)

,

Ouça o áudio:

Em coletiva de imprensa, lideranças da sociedade civil entregaram manifesto a parlamentares na Câmara dos Deputados / Foto: Lula Marques/PT na Câmara

Representantes da sociedade civil entregaram a parlamentares, nesta quarta-feira (18), na Câmara dos Deputados, um manifesto pedindo apoio para a Greve Mundial pelo Clima. O movimento, marcado para a próxima sexta (20), deverá mobilizar diferentes cidades brasileiras e ocorre em vários países do mundo.  

O documento, produzido pela Coalizão pelo Clima no Distrito Federal, chama a atenção para a necessidade de adoção de políticas capazes de frear a problemática ambiental relacionada ao tema nas suas diversas dimensões. O estudante Ian Coelho, de 17 anos, integrante do movimento “Jovens pelo Clima”, disse que o Brasil e o mundo vivem um momento de “emergência climática”.   

“Nosso planeta não aguenta mais. Eu não quero que os senhores fiquem preocupados. Quero que os senhores entrem em pânico. Estamos vivendo uma crise que vem sendo renegada pelas autoridades há muito tempo, e as principais populações que sofrem com essa emergência são as marginalizadas, tanto indígenas e ribeirinhos quanto trabalhadores dentro das cidades”, salientou.

O documento traz 15 reivindicações relacionadas ao Brasil, que incluem:

- A neutralização progressiva das emissões de carbono até 2050;

- A ampliação das políticas de educação ambiental;

- A criação de um conselho de combate à crise climática;

- O fortalecimento dos órgãos ambientais e de pesquisa;

- O descontigenciamento dos recursos da área;

- A consideração dos dados científicos na tomada de decisões do governo;

- O cumprimento do compromisso de reflorestamento previsto para o Brasil no Acordo de Paris.

Assinado por 181 países, o Acordo de Paris estabelece metas para evitar o aumento da temperatura global e suas consequências, mas tem sido um dos principais pontos de conflito entre especialistas e a gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que colocou em xeque a execução do protocolo.

“É a expressão de um governo que, infelizmente, tem negacionistas climáticos, terraplanistas, que é inimigo da produção de conhecimento e do meio ambiente. São tempos difíceis no Brasil”, disse a deputada Fernanda Melchiona (Psol-RS), da Comissão de Meio Ambiente.

O presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, Nilto Tatto (PT-SP), ressaltou que a greve sinaliza a preocupação da sociedade diante de diferentes problemas resultantes do desequilíbrio ambiental, como degelos, secas prolongadas e grandes catástrofes naturais pelo mundo.  

“Aqui, nesta Casa, também precisa repercutir esta preocupação sobre a crise climática, que ameaça não só a nossa espécie, mas a vida no planeta”, acrescentou, destacando ainda que o país vive um momento de “criminalização dos parceiros da natureza através de discursos de ódio”, argumentou.

Grande capital

O manifesto apresentado pela sociedade civil traz ainda outros aspectos, como a cobrança de grandes devedores do governo na área empresarial para que a verba seja utilizada no Fundo Clima.

A medida abarcaria diferentes setores, como os de agronegócio, pecuária, bancos e indústrias. O documento da Coalizão pelo Clima cita, por exemplo, que o cerrado já sofreu cerca de 80% de modificação no seu território por conta a ação humana, alimentada especialmente pela expansão agropecuária e urbana.  

Diante disso, o documento reivindica um conjunto de políticas para “assegurar uma transição justa e com trabalho decente” para comunidades afetadas pela ação de agentes danosos ao meio ambiente.

Mirim Ju Ian Guarani, do Conselho Indígena do Distrito Federal, pontuou que o agronegócio seria um dos maiores responsáveis por esse cenário, ocasionando danos muitas vezes irreversíveis a diferentes populações.  

“Nós somos indígenas, povos tradicionais, negros, brancos, quilombolas. Embaixo da roupa que nos diferencia temos uma coisa que bate mais forte, e é esse o chamado que ecoa. É o que a terra está falando pra gente. O ecossistema é nossa casa, nossa mãe, e não dá pra continuar com essa visão de desenvolvimento igual a 1500. Destruir a floresta pra plantar soja é igual a 1500. Desenvolvimento é trazer novas tecnologias que integrem com o conhecimento que já existia aqui, ancestral”, defendeu.    

Horizonte

Para Fernanda Melchiona, a articulação conjunta entre sociedade civil e parlamento pode ajudar a fortalecer a luta pelas bandeiras trazidas no manifesto, apesar do contexto de avanço neoliberal.    

“Tenho convicção de que, juntos, a gente pode vencer, incluindo as nossas mobilizações, como a do dia 20, com força nos estados, e com a centralidade da nossa pauta em defesa da Amazônia e da biodiversidade, mas incluindo também nesse roteiro a via internacional, que tem se fortalecido”, analisou.

Edição: Rodrigo Chagas