Coluna

A Petrobras, a Lava Jato e os impactos econômicos de uma operação desastrosa

Imagem de perfil do Colunista
04 de Outubro de 2019 às 13:51
Plataforma P-52 na Bacia de Campos, que se estende por 100 mil quilômetros quadrados / Divulgação
A força tarefa e seu espetáculo midiático obedecem à fórmula de desmonte do país

Ontem, dia 3 de outubro, celebrou-se mais um aniversário da Petrobras, uma empresa símbolo da autossuficiência energética, da industrialização nacional e da soberania brasileira. A Petrobras é uma empresa nacional que corporifica as principais divergências políticas brasileiras. Desde a sua edificação, uma parcela do empresariado nacional associado ao capital estrangeiro, parte da mídia e representantes das multinacionais colocaram-se em aberta oposição à sua existência e ao monopólio estatal. Sob argumentos diversos, tais como ausência de capacidade tecnológica nacional, escassez de dinheiro para o montante exigido em investimentos e ineficiência das empresas estatais, entre outros.

Erramos os analistas. A Petrobras, ao longo da sua existência, foi líder no desenvolvimento tecnológico, principalmente na tecnologia de fronteira na produção de petróleo no mar; demonstrou capacidade e ousadia descobrindo o Pré-Sal e foi responsável por parte importante do desenvolvimento econômico e industrial da economia brasileira em anos recentes, estimulando uma grande cadeia de fornecedores e produzindo matéria prima essencial à atividade industrial a preços baixos e em moeda nacional.

Esses mesmos setores comprometidos com a entrega do país precisaram mobilizar, então, outro argumento para a destruição dessa empresa. A corrupção caiu como uma luva. Embora as cifras da estimativa de corrupção na empresa sejam muito elevadas, na ordem de R$ 6 bilhões de reais, o lucro bruto da empresa foi de R$ 80 bilhões. Não importava que isso representasse apenas 7% do faturamento da estatal. A corrupção foi eleita como o responsável por “quebrar” a Petrobras. A partir disso se abriu dois campos de ofensiva da direita conservadora brasileira: a) o desgaste da imagem da Petrobras e a criminalização da sua política de investimento; b) a demonização do PT. Isso está mais claro, atualmente, após as denúncias do Intercept sobre as motivações políticas da Operação.

A Operação Lava Jato e seu espetáculo midiático levaram a Petrobras a reduzir o seu montante de investimento em 25%. Segundo cálculo do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (Ineep), utilizando dados da Matriz de Absorção de Investimento, cada R$ 1 bilhão investimento somente na Exploração e Produção de Petróleo impacta o PIB brasileiro em R$ 1,28 bilhão e cria mais de 26.319 mil ocupações diretas. Ou seja, a redução dos investimentos da Petrobras, de forma abrupta em função das denúncias da Lava Jato, custou milhões de empregos e forte contratação no Produto Interno Brasileiro (PIB).

Somente entre 2015 e 2016, a Operação Lava Jato foi responsável por algo em torno de 2,5% da retração do PIB, uma queda da arrecadação de R$ 146 bilhões relacionada, principalmente, à paralisia das atividades nos setores metalmecânico, naval, construção civil e engenharia pesada. Esses não apenas são setores intensivos em mão de obra – no caso da Construção Civil – como são setores de ponta, representando uma das poucas atividades econômicas das quais o Brasil tinha competitividade internacional, prioritariamente no caso da engenharia pesada.

Tabela: Total de Trabalhadores e taxa de crescimento nas empresas fornecedoras da Petrobras (2013 = 100)

























Ano



Total de trabalhadores fornecedoras



taxa de crescimento



2014



901.191,41



-8%



2015



816.460,01



-10%



2016



666.166,95



-19%


Fonte: DISEP/IPEA a partir do cadastro de fornecedores da Petrobrás e da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS/MTE). Elaboração Própria. Essas são as empresas que constam no cadastro da Petrobras e se relacionam apenas com as atividades produtivas, tais como setor naval, metal mecânico, engenharia, serviços especializados e outros bens de capital. O nome e o CNPJ das empresas são ocultados por serem dados sigilosos.

Ainda que a gente não possa isolar outras variáveis importantes como a recessão econômica de forma geral, a queda significativa do número de emprego em 2014 – quando a economia brasileira vivia sua menor taxa de desempenho da história – demonstra o que foi, puramente, efeito de uma Lava Jato desastrosa.

Gráfico: Total de investimentos da Petrobras e total de emprego nas empresas fornecedoras da Petrobras entre 2003 e 2016

Fonte: Petrobrás e DISEP/IPEA a partir do cadastro de fornecedores da Petrobrás e da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS/MTE). Elaboração Própria.

Nesse gráfico fica claro a relação direta que tem a queda do investimento da Petrobras e a completa destruição de empregos nas empresas fornecedoras.

Essa é a fórmula de desmonte de um país: enfraquecer sua principal empresa estatal, líder mundial na exploração de petróleo em águas profundas; criminalizar sua política de investimento; reduzir os empregos e as encomendas nas empresas fornecedoras e, por fim, atacar um dos poucos setores econômicos nacionais com elevada produtividade e alto desenvolvimento tecnológico. Tudo isso atende aos interesses daqueles que querem um Brasil mais submisso, mas dependente e com reduzida soberania energética e econômica.

Edição: João Paulo Soares