Visitas a Lula

Prisão de Lula “é uma mancha no nome do Brasil”, afirma líder sindicalista dos EUA

Richard Trumka entregou ao ex-presidente prêmio por dedicação aos direitos trabalhistas e direitos humanos

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,

Ouça o áudio:

Richard Trumka e Pepe Alvarez visitaram ex-presidente Lula nesta quinta (10), na Superintendência da PF, em Curitiba / Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu, nesta quinta (10), o prêmio George Meany-Lane Kirkland de Direitos Humanos, oferecido pela maior central sindical dos Estados Unidos da América, a American Federation of Labor and Congress of Industrial Organizations (AFL-CIO).

Oferecido a pessoas que dedicam suas vidas à luta pelos direitos trabalhistas e direitos humanos, o prêmio foi entregue pelo presidente da AFL-CIO, Richard Trumka, em visita ao ex-presidente na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Junto a Trumka, na visita, estava o secretário-geral da maior central sindical da Espanha - a Unión General de Trabajadores (UGT) - Pepe Alvarez.

Segundo Trumka, a escolha de Lula para a homenagem foi unanimidade entre os 12,5 milhões de trabalhadoras e trabalhadores filiados à AFL-CIO. De acordo com o estadunidense, os membros da AFL-CIO estão mobilizados em apoio ao ex-presidente brasileiro por entenderem que a prisão de Lula representa um ataque à democracia mundial. 

“O que está acontecendo no Brasil é uma mancha no bom nome que o Brasil tem. Mina a democracia não só no Brasil, mas em todos os países ao redor do mundo, e nós não vamos permitir essa mancha”, afirmou o líder sindical.

Trumka ainda elencou medidas que serão tomadas pela central estadunidense para fortalecer a pressão internacional em prol da liberdade de Lula. “Vamos pressionar o Comitê de Direitos Humanos da ONU [Organização das Nações Unidas] para tomar uma decisão sobre o caso; vamos ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos, para conseguir informações sobre as discussões que aconteceram entre o [então] juiz [Sergio Moro], os procuradores e a polícia para entender melhor esse conluio; vamos pressionar o STF [Supremo Tribunal Federal] para que tome uma decisão sobre o caso”, explicou. 

O sindicalista espanhol Pepe Alvarez também informou que as centrais sindicais europeias estão articuladas pela liberdade de Lula. Composta por 950 mil membros, a UGT irá levar ao Primeiro-Ministro da Espanha, Pedro Sanchez, a denúncia da prisão política de Lula, segundo Alvarez. “Está preso porque, atrás de Lula, está todo o continente americano, especialmente sul-americano e centro-americano. Os oligarcas imperialistas não querem que as riquezas pertençam a esses povos”, disse Alvarez.

Após a visita a Lula, Trumka e Alvarez visitaram a Vigília Lula Livre, em frente à Superintendência da PF, e relataram às pessoas lá presentes como foi o encontro com o ex-presidente. 

Edição: Redação