EDUCAÇÃO

O que comemorar neste Dia do Professor?

Neste 15 de outubro, o Brasil de Fato RS convida professores para falar sobre os atuais desafios da educação

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS)

,
Em 2019, a defesa da educação tem acontecido nas ruas do país / Foto: Fabiana Reinholz

Nas palavras do filósofo e educador Paulo Freire, o Dia dos Professores “é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem ‘águias’ e não apenas ‘galinhas’. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda”.

Neste ano de 2019, mais do que nunca, o Dia dos Professores é sinônimo de resistência e compromisso com o futuro do país. Diante dos ataques que a educação vem sofrendo no Brasil, em todas as esferas, puxados pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) e seu projeto de destruição do conhecimento, educadoras e educadores encontram um cenário desafiador. Inspirados por Freire, não desanimam e encontram forças no poder de transformação da educação, que pode até ser atacado, mas jamais será apagado.

Como forma de homenagear as professoras e os professores brasileiros nestes tempos de luta, o Brasil de Fato RS conversou com professoras de diferentes níveis e instituições e questionou: Nesse dia 15, o que comemorar? E como você avalia a situação do ensino? Confira:

Leila Maria de Almeida Marques

Professora da Escola do Campo da rede estadual de ensino, militante do MST assentada no município de Jóia

Acredito que o momento histórico que estamos vivenciando está sendo pautado pela disputa de projeto, no qual a classe trabalhadora está sendo colocada cada vez mais no limite do desrespeito, da intolerância e do total descaso por parte do Estado. A Educação do Campo, bem como todas as políticas públicas que estão voltadas à classe trabalhadora, está sendo dissipada como fruto infértil desse governo vigente. 

Acredito que o dia 15 de outubro, historicamente na sua gênese, não nos traz homenagens, pois na sua construção inicial, trazia aprendizagens diferenciadas para meninos e meninas, fato esse que não estamos de acordo, pois meninos e meninas como ser humano têm direito de ter acesso ao conhecimento historicamente acumulado. Dessa maneira, construímos coletivamente, de modo diferente, acreditamos que é no processo da luta que se forja a construção de uma educação emancipadora, crítica e reflexiva, com a participação de homens e mulheres de igual para igual. 

A Educação do Campo tem como centralidade a vida, o saber científico, a luta e as contradições em um processo de práxis contínuo de luta de classes em que está pautada a nossa luta, bem como também a luta do dia 15 de outubro. Consciente de nosso papel na sociedade de intervenção e fazer a diferença de cabeça erguida, dizendo a cada vez:

- Educação do Campo é direito e não esmola!!! 

Dia 15 de outubro é um dia de luta, de disputa de projeto, de nos colocarmos e pautarmos o nosso espaço de camponeses que somos e o direito que temos de acesso à educação e educação de qualidade. Dia 15 é luta, é dia de consciência da nossa tarefa política, de ir em busca dos direitos conquistados. Nem um passo atrás das conquistas já alcançadas!

Débora Birck 

Professora contratada de Inglês e Literatura na Escola Estadual Dr. Oscar Tollens (Porto Alegre)

A resistência da educação perante tantos ataques. O dia 15 se transformou numa data de luta do magistério, especialmente aqui no Rio Grande do Sul que é o estado que tem o pior salário de professoras/professores no Brasil. Então, ao invés de estarmos na escola celebrando, estaremos na rua resistindo e lutando por uma educação de qualidade.

Entrei no final de 2015 como professora do estado. Depois de uns poucos meses de sala de aula, não soube mais o que é receber em dia até os dias atuais. Isso é apenas um dos problemas graves da educação. Se a professora e o professor não são valorizados, a educação também não é. Ela/Ele é a/o protagonista do que vai acontecer na sala de aula, os valores, o conhecimento, a curiosidade nascem da atuação dessa/desse profissional na escola. É uma profissão que prepara a/o indivíduo para a sociedade, sem professoras e professores não existiriam outras profissões porque é necessário passar pela educação básica para se chegar a uma universidade. E quando não há interesse pela universidade, há interesse por outros campos de atuação e a função desse trajeto escolar é preparar para a vida, para que exerçam a cidadania em sociedade. 

Então, analisando a estrutura precária das escolas estaduais, o arroxo salarial, a falta de profissionais, o atraso salarial, a desvalorização e também a retirada de direitos conquistados há anos fazem o nosso ensino se distanciar cada vez mais do ideal de preparar seres humanos para uma sociedade justa. Sem contar que há um plano de desmonte da educação pelos governos atuais e isso quem precisa evitar é o povo, ao lado das professoras e dos professores na luta por uma educação de qualidade.

Maria Fernanda da Silva Viegas

Professora de Português na Escola Municipal Morro da Cruz e Escola Estadual Agrônomo Pedro Pereira (Porto Alegre)

Eu acho que a gente tem que comemorar as resistências que ainda existem nas escolas, os focos de resistência, pra fazer uma educação de qualidade, uma educação que faça sentido pras crianças de periferia, de regiões mais precárias, e pra fazer da escola um espaço cultural, um espaço de vivências relevantes para a formação dos cidadãos. Eu acho que a gente tem que comemorar as relações que se produzem de troca de conhecimento, de carinho entre os alunos e os professores apesar de toda a pressão social para o professor ser indiferente, neutro e um robô, na prática nós somos seres humanos e criamos relações de afeto, e relações produtivas, digamos assim, e criativas para além desse robozinho que o Escola Sem Partido defende que o professor tem que ser. Ainda tem uma brasinha ali da parte bonita dessa profissão, que é essa amorosidade, essa dedicação, esse reconhecimento da importância do professor como básico no pilar no sentido de ajudar a formar, contribuir para a formação de todas as outras profissões.

Sou professora do estado e do município e eu fico muito triste de ver coisas que eram importantes e que funcionavam no município e que agora estão sendo desmanteladas. Na gestão Machezan, eles extinguiram cargos importantes, formações, reuniões entre os professores, tudo isso o governo tem dito que não é importante e tem lutado pra acabar com tudo isso que era o diferencial da rede municipal. Eu também fico triste de visualizar alguns casos, que não são mais isolados, de violência contra o professor, de censura de pais. Eu visualizo que esse discurso de criminalizar o professor, muito feito também pelo governo Bolsonaro, pelo governo Marchezan, pelo Secretário de Educação [de Porto Alegre], o Naves [Adriano Naves de Brito], de botar a culpa no professor e criminalizar e acabar com a imagem que se tinha do professor como o mestre. Acho que a gente tem que tentar resgatar a imagem positiva do professor, a importância do professor, a importância da liberdade de cátedra, isso é o que teria que ser resgatado.

Andréia Meinerz

Professora de Filosofia no Instituto Federal do RS - Campus Restinga (Porto Alegre)

No atual contexto, se olharmos para as circunstâncias, os motivos para comemorar são inversamente proporcionais à importância da educação. Ser professora, nessa conjuntura, não nos coloca no melhor dos cenários, por mais que a gente ame o que faz. Os desmontes acontecem em efeito cascata. As reformas da Previdência e trabalhista corroem direitos adquiridos. O ataque aos planos de carreira e a falta de investimentos estruturais precarizam a vida, sobretudo dos que vivem nas margens. Isso reflete na sociedade como um todo, não apenas em trabalhadores da educação. Ainda, a perseguição ideológica e a consequente censura da falácia da escola sem partido acentuam o desprestígio da profissão. Tudo isso somado reflete diretamente nas condições existenciais e materiais gerando adoecimentos e prejuízos de todas as ordens. 

Na Rede Federal, onde atuo, o corte de verbas nos obrigou a fazer escolhas que impactaram nosso dia a dia. O desmonte dos Institutos Federais faz parte do projeto político de acabar com a educação pública de qualidade para a classe trabalhadora. No entanto, somos artesãs de afetos, de sonhos e de utopias. O potencial transformador da educação libertadora merece e deve ser celebrado. Quando nos juntamos somos mais fortes. Insistimos e resistimos no exercício coletivo do ensinar-aprender afetuosamente, rompendo as bolhas do individualismo. Olhemos para a EJA (Educação de Jovens e Adultos), para a Agroecologia, para a curiosidade e rebeldia da juventude e lembremos que “não há docência sem discência”! Ninguém nos tira a alegria de ver o brilho nos olhos de estudantes quando alçam seus voos. Comemoro o orgulho em trabalhar na Restinga, no campus do IF que nasce da luta comunitária e nela prospera. Comemoremos a força dos projetos junto aos nossos pares. Celebremos nossa resistência!!

Nísia Martins do Rosário

Professora de Comunicação nas áreas de Imagem, Semiótica, Cultura e Corporalidades na UFRGS (Porto Alegre)

Num momento em que a educação está sendo tão desqualificada por algumas áreas, e a pesquisa está sendo desconsiderada, o dia do professor nos leva a uma reflexão necessária: por que ser professor/a e para que(m) ser professor/a? A situação está se formatando de uma tal maneira que parece ser necessário justificar e argumentar sobre a importância da nossa profissão. Mais do que ignorância (no sentido mesmo de ignorar), isso é o reflexo de mentes amedrontadas por um papel do/a professor/a que vai além de ensinar a ler ou a contar, é o papel de ensinar a pensar por si mesmo, de habilitar o estudante a construir o seu conhecimento. Isso é o de melhor que a educação pode fazer, mas quem quer pessoas questionadoras, criativas, aptas ao debate, capazes de avaliar fenômenos e acontecimentos? Nessa perspectiva, limitar o ofício do professor tornou-se uma obsessão para alguns. Mas, ainda assim, continuamos nosso ofício verdadeiramente porque gostamos do que fazemos, porque o entendemos como uma missão. 

O que verdadeiramente temos para comemorar é a nossa força de resistência, e a satisfação de ensinar. Paulo Freire diz melhor: “A educação faz sentido porque as mulheres e homens aprendem que através da aprendizagem podem fazerem-se e refazerem-se, porque mulheres e homens são capazes de assumirem a responsabilidade sobre si mesmos como seres capazes de conhecerem”.

Edição: Marcelo Ferreira