Coluna

Os blefes golpistas de Olavo de Carvalho devem ser levados a sério. Por quê?

Imagem de perfil do Colunista
17 de Outubro de 2019 às 11:33

Ouça o áudio:

Jair Bolsonaro (PSL) é recebido por militares: "A rigor, não parece haver perigo real e imediato de uma tentativa de autogolpe" / Isac Nóbrega/PR
Diminuir o risco de Bolsonaro para a democracia seria miopia política grave

Na hora mais escura da noite, mais intenso será o brilho das estrelas no céu - sabedoria popular persa

A hora mais escura do dia é a que vem antes do sol nascer - sabedoria popular árabe

A convocação de Olavo de Carvalho a Bolsonaro para assumir plenos poderes, se apoiando nas Forças Armadas e na mobilização de sua base social, depois ecoada nas redes bolsonaristas como um chamado a um novo AI-5, não deve ser subestimada. Trata-se de um escândalo.

Revela que o bolsonarismo tem como estratégia a subversão do regime político. Um governo de extrema-direita com projeto bonapartista é contraditório com um regime político eleitoral. Não é, necessariamente, incompatível, mas é antagônico.

Há sempre uma dimensão de blefe, ou seja, de ameaça retórica, neste tipo de agitação provocativa, mas é também uma sinalização de que não têm limites, não têm pudores, não têm escrúpulos.

O AI-5 em dezembro de 1968 foi avaliado, corretamente, como um golpe dentro do golpe. Assim como o golpe de Estado de 1964, o golpe do AI-5 respondia, outra vez, à percepção da cúpula das Forças Armadas de que existiria o perigo de abertura de uma situação pré-revolucionária a partir da onda de ascenso do movimento estudantil, na sequência da passeata dos cem mil no Rio de Janeiro, e de uma onda de levantes operários, depois das greves de Osasco e Contagem. A ditadura militar tinha fobia de estudantes e de operários, e se assustava com a fermentação cultural que não parava de crescer.

Uma combinação de pelo menos três fatores pode explicar estas declarações absurdas. A primeira é a crise da fração bolsonarista com o PSL. As investigações sobre as movimentações financeiras do PSL e a divisão do controle da legenda de aluguel com Luciano Bivar deixam o bolsonarismo inseguro sobre seu futuro. A entrada no PSL foi uma improvisação eleitoral, e agora o bolsonarismo se sente desconfortável. O PSL se tornou um problema. Uma corrente neofascista precisa de um partido para 2020 em que tenha controle absoluto, e terão que encontrá-lo trocando a roda com o carro em movimento. A substituição do líder do PSL Delegado Waldir por Eduardo Bolsonaro é uma iniciativa nessa direção.

Em segundo lugar, o bolsonarismo quer responder às iniciativas que virão do STF (Supremo Tribunal Federal). Não somente quanto ao destino da votação sobre a prisão em segunda e terceira instâncias, ou somente após o trânsito final pelo STF, mas também quanto à votação do pedido de Habeas Corpus apresentado pela defesa de Lula, sustentado na suspeição de Moro. A sinalização é de que o bolsonarismo está disposto a ir às ruas, e se dirige abertamente aos generais, se a liberdade de Lula for conquistada.

Um terceiro fator a ser considerado é o desgaste lento, porém, crescente, do governo diante da burguesia e da classe média, mesmo estando muito seguros da aprovação da reforma da Previdência no Senado semana que vem. A economia brasileira anda de lado há três anos, depois do mergulho de 2015/16 que sacrificou mais de 7% da capacidade produtiva instalada. Os mais otimistas adiam para 2024 a retomada do patamar de 2014. Uma década perdida.

A rigor, não parece haver perigo real e imediato de uma tentativa de autogolpe ou insurreição militar no Brasil. Nenhuma fração importante da burguesia está hoje considerando um projeto de quartelada para impor um regime bonapartista para garantir os ajustes econômico-sociais necessários ao reposicionamento do Brasil no mercado mundial.

Tentar prever o que poderá acontecer é impossível, porque o volume de variáveis a serem consideradas é inalcançável. Não podemos lutar contra perigos imaginários. Devemos nos concentrar na luta contra os perigos imediatos. Agitar, portanto, a iminência do perigo de um autogolpe seria alarmismo. Alarmismo só serve para disseminar medo, insegurança, pânico e, finalmente, desmoralização. Não há perigo iminente de golpe. Isso se explica, essencialmente, porque não há perigo de revolução. Um golpe, por enquanto, não é necessário.

A ausência de um amplo e radicalizado movimento de resistência da classe trabalhadora e de seus aliados que ameace a dominação da burguesia faz com que as grandes empresas e bancos não apoiem uma intervenção militar.

Entretanto, diminuir o perigo que o governo Bolsonaro representa para as liberdades democráticas seria miopia política grave. A radicalização neofascista da retórica do bolsonarismo não deve ser ignorada. Só a mobilização de massas da classe trabalhadora e da juventude tem a força social capaz de derrotá-lo.

Edição: João Paulo Soares