INTEGRAÇÃO

Câmbio, o esporte para maiores de 50

Objetivo é promover a qualidade de vida, valorizar convivência, troca de experiências e construção de novas amizades

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS)

,
Quadra e bola de vôlei mas regras diferentes no esporte para a terceira idade / Fotos: Ronald Mendes

Um jogo que usa a bola e as quadras de vôlei está atraindo o pessoal da terceira idade. É o câmbio, praticado com equipes de nove jogadores (e três reservas) em dois tempos de 15 minutos. Hoje, 80% dos chamados grupos de maioridade ativa doSesc, o Serviço Social do Comércio, no Rio Grande do Sul, são adeptos do jogo. Treinam o câmbio e participam de torneios. 

Quem conta é o professor de educação física Hélio Silva. Ele atua no Sesc-Redenção que treina diversos grupos. Os treinos acontecemno ginásio Tesourinha e em quadras cedidas por igrejas. Em Porto Alegre, apenas duas unidades do Sesc, a da avenida Protásio Alves e a do bairro Navegantes, oferecem a chance de praticar o esporte. No Interior, o câmbio está bastante disseminado. Neste ano, em Lajeado, aconteceu o Circuito Sesc de Câmbio. Trezentos e trinta atletas de 26 equipes entraram em cancha.

Cinco mil praticantes 

A competição é disputada na modalidade mista. Existem as categorias de 50 até 59 anos e outra acima de 60. O câmbio usa a quadra e a bola de vôlei. Tem regras parecidas com a do vôlei, porém adequadas para facilitar a atividade à turma da terceira idade. A Federação Gaúcha de Jogos Adaptados para Idosos estima que, em todo o Estado, mais de cinco mil pessoas pratiquem o jogo.

No Sul do Brasil, onde é bastante praticado, o câmbio recebeu algumas adaptações feitas por professores universitários de educação física, com apoio do Sesc e de prefeituras. Na região há competições regulares, mas o objetivo do jogo vai além disso. Pretende-se promover maior qualidade de vida por meio do esporte, valorizar a convivência, a troca de experiências e a construção de novas amizades, possibilitando com isso que o adulto permaneça socialmente ativo e atuante.

Qualidade de vida 

O presidente da Federação Gaúcha de Esportes Adaptados para Idosos, José Albino Maciel, éum entusiasta da modalidade. “A qualidade de vida que a gente adquire é impressionante. Muita gente recuperou sua saúde depois que começou a praticar essa atividade”, explica. 

As principais regras 

Câmbio, homens e mulheres na quadra e nove jogadores em cada equipe

O  esporte tem algumas regras básicas, mas permite combinações prévias com todos os participantes.Na quadra de vôlei e com a bola do esporte, coloca-se uma rede com a altura de 2,24cm (equipes femininas) e 2,43 cm (masculinas). Assim como o vôlei, a prática envolve saque e recepção. Na tentativa de domínio de bola, o mesmo jogador pode tocar na bola várias vezes. Não é permitido receber, dominar ou passar a bola com os pés.

Cada equipe ocupa meia quadra. Os nove jogadores de cada time ficam dispostos na meia quadra, de frente para a rede, ocupando os espaços demarcados nas seguintes posições: Posição 1 – lado direito ao fundo da quadra; Posição 2 – no meio ao fundo da quadra; Posição 3 – lado esquerdo ao fundo da quadra; Posição 4 – lado esquerdo da quadra atrás da linha de três metros; Posição 5 – lado esquerdo da quadra, próximo à rede;Posição 6 – centro de rede; Posição 7 – lado direito da quadra, próximo à rede; Posição 8 – centro de quadra; Posição 9 – lado direito da quadra, atrás da linha dos três metros.  Posições 10, 11 e 12 – Os três jogadores, reservas de uma equipe, permanecem em fila no fundo da meia quadra da sua equipe, em ordem sequencial, para entrar em campo por ocasião do rodízio. Que acontece toda a vez em que o jogador da posição 8 arremessar a bola para a meia quadra oposta e gritar “câmbio”. No rodízio, todos os jogadores trocam de lugar, observando a ordem numérica sequencial das posições.

As equipes pontuarão nas seguintes situações: 1) sempre que um jogador do adversário deixar a bola cair no chão; 2) quando o rodízio não for executado corretamente; 3) se o número de passes for incorreto; 4) quando não for respeitada a posição de arremesso; 5) se a bola arremessada não ultrapassar a rede ou sair das linhas de demarcação da quadra; e 6) quando o jogador da posição 8 saltar, queimar ou ultrapassar a linha dos três metros. O jogo reinicia com a posse de bola pela equipe que conquistou o ponto.

 

Edição: Marcelo Ferreira