Vazamento

Navio grego apontado pela PF pode não ser o único causador das manchas de óleo no NE

É possível que grande parte do material encontrado nas praias da região não tenha vindo de um único local

Ouça o áudio:

Para os pesquisadores, é um verdadeiro quebra-cabeças saber de onde vem tanto óleo / AFP/Arquivo

Um navio de origem grega, que ia da Venezuela para o continente africano, é apontado pela Polícia Federal (PF) como o causador do maior desastre ambiental da costa brasileira. Porém, cientistas são cautelosos e não confirmam a versão das autoridades. Há possibilidade de que o óleo tenha mais de uma origem, levando em consideração a quantidade de material encontrado e a extensão territorial atingida.

O Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (LAPIS) afirma que tinha conhecimento do vazamento de óleo deste navio, que ocorreu a cerca de 40 km do litoral do Rio Grande do Norte. A imagem analisada são de dois navios que passaram pelo local no dia 24 de julho.

Para os pesquisadores, é um verdadeiro quebra-cabeças saber de onde vem tanto óleo. Além de vazamentos nos navios que são identificados na superfície do mar pelos satélites, parte do material pode ter afundado, ou mesmo estar vindo de uma fonte debaixo da água.

Navios e subsolo

“As várias manchas de óleo que localizamos no Oceano Atlântico Sul, próximo ao Nordeste, ora estão relacionadas a possíveis vazamentos de navios, ora a fluidos vindos do subsolo do fundo do mar. Inclusive, em alguns trechos, próximos à área portuária do Espírito Santo, foram detectadas manchas de óleo nas imagens de satélites. Porém, essas imagens ainda não foram analisadas, com o intuito de esclarecer a possível origem do vazamento”, destaca o pesquisador Humberto Barbosa.

De acordo com a Polícia Federal, o navio grego teria derramado o óleo a 700 quilômetros da costa brasileira entre os dias 28 e 29 de julho deste ano.

Edição: Revista Fórum