Coluna

O novo golpe de Bolsonaro para cortar recursos da Saúde

Imagem de perfil do Colunista
22 de Novembro de 2019 às 15:37

Ouça o áudio:

O SUS, atacado pelo presidente desde a campanha, é referência internacional em sistemas de saúde pública / Gabriella Zanardi
Bolsonaro e seu legado irrecuperável significam vidas e meio ambiente destruídos

Com a falsa promessa de atender os mais necessitados, Bolsonaro faz o maior ataque da história ao princípio da universalidade do Sistema Único de Saúde (SUS).

A portaria do novo financiamento dos recursos para que os municípios possam abrir e colocar para funcionar unidades básicas de saúde, imunização e ações e prevenção visa impedir que o SUS atenda a todos.

Essa nova portaria baseia o repasse de recursos aos municípios não mais pelo tamanho da população e por indicadores de vulnerabilidade, e sim pelo número de pessoas cadastradas pelas equipes de saúde da família.

Com o desmonte do Mais Médicos, o congelamento de investimentos e a dificuldade de contratação de pessoal, a cobertura em saúde da família em vários municípios brasileiros não chega a 50%.

Eu estive, por exemplo, na cidade de Maceió (AL), acompanhei a destruição do Mais Médicos e vi que a cobertura é de cerca de 26%. No Brasil, a média é em torno de 60%, tendo reduzido este ano.

Quem não está cadastrado, ficará de fora do novo cálculo, e a redução de recursos repassados aos municípios é gravíssima.

Essa política atinge em cheio a Política Nacional de Atenção Básica que nós construímos em 2011 e fere os princípios fundamentais do SUS.

Essa é a postura de quem mantém o congelamento dos recursos da saúde, de quem opera o orçamento só preocupado em engordar o bolso dos banqueiros, e de quem corta as políticas sociais no nosso país.

Como sempre dissemos: Bolsonaro e seu legado irrecuperável significam vidas e meio ambiente destruídos.

Edição: Rodrigo Chagas