PELA VIDA DAS MULHERES

Mov. Mulheres realiza ato 25N, dia de enfrentamento à violência contra a mulher

Casos de feminicídio cresceram 53% em um ano na Paraíba, de acordo com o Anuário Brasileiro da Violência

Brasil de Fato | João Pessoa - PB

,
Divulgação / Card

O movimento de mulheres da Paraíba estará realizando um ato nesta segunda-feira (25), no centro da cidade, em alusão ao dia 25 de novembro, Dia Internacional de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher. A concentração terá início às 14h, no Mercado Central, com ensaio das batucadas, confecção de cartazes, faixas e panfletagem.  

A saída para a caminhada será partir das 15h, rumo ao Fórum Criminal, com batucada e gritos de ordem. Já no Fórum, será apresentada uma mística, e as mulheres farão falas explicando o que é o ato e o sentido da luta do 25N.

Ao apresentar estatísticos sobre a violência, as mulheres irão reivindicar às autoridades justiça por todas as mulheres vítimas de violência, cobrar a promoção das políticas de enfrentamento a todas as formas de violência contra a mulher.

Segundo Aluska Queiroz, da coordenação de metodologia do ato, o evento é um grito de alerta: “O evento faz referência ao dia 25 de novembro, que é um dia mundial de luta contra a violência à mulher. As mulheres, muitas vezes são silenciadas por uma sociedade machista, patriarcal, que acredita ser normal violentar uma mulher, seja de que forma for. Temos de estar nas ruas buscando justiça e convidando outras mais para transformar o medo em força, por mim, por elas, por todas!”, afirma Aluska.



Feminicídio: uma epidemia em ascensão constante

Na Paraíba, o número de feminicídio cresceu aproximadamente 53% entre 2017 e 2018, segundo dados do Anuário Brasileiro da Violência 2019, divulgado em setembro último. Cerca de 1.100 Mulheres foram assassinadas na Paraíba nos últimos 10 anos (dados do Anuário da Segurança Pública da Paraíba ). Foram 78 assassinatos em 2017; 84 assassinatos em 2018; e 41 assassinato de janeiro até julho de 2019.  

O Brasil é o 5° país onde mais se mata mulheres em todo o mundo. Segundo o Atlas da Violência de 2019, 4.963 brasileiras foram mortas em 2017: maior registro em dez anos. O observatório Internacional dos Direitos Humanos divulgou (em 17/01) que há uma “epidemia” de violência doméstica no brasil. De acordo com o estudo, em 72,1% dos casos de feminicídio, as mulheres já tinham sido agredidas pelos companheiros antes de serem mortas e não tinham prestado queixa na delegacia. Grande parte das mulheres vítimas de agressões apanha da infância à velhice, alternando apenas o autor e os tipos de ataques. Abusos psicológicos, sexuais, financeiros, abandonos e negligências são as violências mais recorrentes. O assassinato de mulheres cresce 30% em dez anos; país tem média de 13 mortes por dia. A maioria dos feminicídios, 58,8% dos casos, é causada por ciúmes ou outras questões que causaram tensão entre o casal.

Dados apurados no começo de 2018 mostram que há mais de 1 milhão e 200 mil casos de agressões contra mulheres pendentes na justiça brasileira.

Leia a chamada para o ato:

25 DE NOVEMBRO - DIA INTERNACIONAL PELA ELIMINAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

A violência contra as mulheres é um problema grave no nosso país, na Paraíba e no mundo. Pesquisas recentes mostram que a violência doméstica cresceu 17% no Brasil nos últimos seis anos, uma média de 13 assassinatos de mulheres a cada dia; 500 mulheres vítimas de agressão a cada hora; o assombroso recorde de 66 mil vítimas de estupro no Brasil em 2018. O cenário aponta aumento da quantidade e intensidade de crimes, além do desmonte das políticas públicas, desarticulação de programas e dos serviços de prevenção e enfrentamento à violência. Com a chegada de Bolsonaro à presidência, houve recrudescimento do fascismo: crimes de ódio, liberação das armas e um letal desprezo pelo feminino nas ações e discursos do governante, além do desmantelamento do estado democrático de direito. Isso traz a perspectiva de ainda mais violência e maior esfacelamento de mecanismos de prevenção e repressão aos crimes contra a mulher. 

Por este motivo, o Movimento de Mulheres da Paraíba vai ocupar as ruas do centro de João Pessoa para gritar por direitos, justiça e cobrar a promoção das políticas de enfrentamento ao machismo, que mata as mulheres todos os dias. Vamos visibilizar a nossa aflição e chamar a sociedade para a luta contra este mal na nossa sociedade. É preciso estarmos atentas: por mim por nós pelas outras! É preciso que a sociedade também esteja mobilizada para lutar contra a violência. Convidamos a todas as mulheres para somarem no ato desta segunda-feira (25), a partir das 14h, no Mercado Central de João Pessoa. Traga sua bandeira, cartaz, e vamos às ruas mostrar que não daremos passos para trás: nos queremos vivas!

Dia: 25 de novembro de 2019

Local: Mercado Central

Hora: 14h

Edição: Redação BdF