OPINIÃO

Artigo | Os jornais e TVs são pagos para destacar os aspectos negativos da greve

Financiadas pelo governo através de propagandas, grandes empresas de comunicação apropriam-se do que é público

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS)

,
"Temos de denunciar: a RBS e outras empresas de comunicação falam mal do movimento por que são pagas" / Foto: Caco Argemi

Por que os veículos de comunicação só noticiam aspectos negativos dos movimentos dos servidores (e trabalhadores no geral)? Porque eles ganham muito dinheiro pra isto. Recursos públicos que faltam para os serviços prestados para toda a sociedade e pagar servidores vão parar facilmente nas mãos da iniciativa privada. É fácil ser empresário assim, né? Sem qualquer risco. Apropriam-se privadamente do que é público.

A tabela de preço dos veículos é pública. Cada 30 segundos no intervalo do Jornal Nacional ou da novela das nove, cobertura estadual, sai cerca de R$ 60.000,00. No Fantástico é R$ 48.000,00. E o governo normalmente tem 5% de desconto. É assim que o governo #Bolsonarista da #FamiliciaBolsonaro e de Eduardo Leite do #PSDB mantém a RBS e Globo no silêncio.

Hoje os jornais e a TV destacaram somente aspectos negativos da greve deflagrada no RS, com os servidores públicos estaduais lotando a Praça da Matriz, em Porto Alegre. Mas o que a sociedade não sabe é que este é um jogo sujo deles, o toma lá, dá cá. Levam muito dinheiro para veicular, em horário nobre, publicidade sobre as "façanhas" do governo estadual. Ou seja, empresas privadas levam recursos públicos, enriquecem assim. Aí, dizem que há uma "crise" e que não tem dinheiro para os serviços e paga pagar servidores.

Temos de denunciar em todos os espaços que tivermos: a RBS e outras empresas de comunicação falam mal do movimento por que são pagas. Executam um serviço e recebem por isto e rios de dinheiro público vão parar nas mãos da iniciativa privada.

* Márcia Camarano é jornalista e servidora pública do RS. Itamar Santos é vice-presidente do Conselho estadual de Saúde do RS

Edição: Marcelo Ferreira