RENOVAÇÃO

Senhor Bom Jesus dos Navegantes é reverenciado pelo povo baiano

A festividade data do século 19 e é um momento de professar a fé

Brasil de Fato | Salvador (BA)

,
Festa de Bom Jesus dos Navegantes em 1950 na cidade de Salvador. / Acervo Instituto Moreira Salles

As festividades do Senhor Bom Jesus dos Navegantes marcam o final e o início do ano, e acontece em Salvador desde o século 19, com origem entre os que eram “empregados no mar”. Milhares de pessoas manifestam sua fé, participando todos os anos da festa, rezando, agradecendo o ano que passou e fazendo pedidos para o ano que chega.

“Cem Barquinhos brancos / Nas ondas do mar / Uma galeota / A Jesus levar”

Como canta Dorival Caymmi em “Festa de Rua”, a Galeota “Gratidão do Povo” há 128 anos realiza a procissão marítima que faz parte das homenagens ao Senhor Bom Jesus dos Navegantes e a Nossa Senhora da Boa Viagem.

A abertura do tradicional festejo religioso acontece no dia 27 de dezembro, com uma alvorada com queima de fogos. A lavagem do templo é feita pela comunidade, que leva suas vassouras para, depois do momento de oração, lavar a Igreja. Após, acontece o hasteamento da bandeira da Devoção do Senhor Bom Jesus dos Navegantes, e missa com os barraqueiros e com as famílias da paróquia. No dia 28 começa o tríduo preparatório.

“São três dias de muita oração e homenagens. Falamos sobre a fé, a esperança e a caridade que é o amor. O tema da festa deste ano foi “Na Gratidão do Povo navega o Anjo Bom da Bahia”, explica Verônica Magalhães, membro da Devoção do Senhor Bom Jesus dos Navegantes, que organiza os festejos.

“Meu senhor dos navegantes / Venha me valê!"

No dia 31, logo cedo, a Galeota desce ao mar na praia da Boa Viagem e, pela tarde, é dado início a celebração com o atual arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, na Igreja Matriz da Boa Viagem. “Após a missa, a procissão marítima sai com destino ao Porto de Salvador, dali seguimos com as imagens até a Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia. No dia 1º pela manhã, nós temos uma celebração na Basílica. E também acontece aqui na Boa Viagem para preparar as pessoas espiritualmente para a chegada do Bom Jesus”.

Verônica participa das homenagens ao Senhor Bom Jesus dos Navegantes desde a infância, porque seus pais eram engajados e por ser moradora da Cidade Baixa. “Tenho quinze anos fazendo parte da Devoção ao Bom Jesus dos Navegantes como membro. Além de homenagear o Bom Jesus, a quem eu amo muito, chama atenção da população para que esse Bom Jesus dos navegantes seja esse sinal de vida e amor. A procissão traz essa imagem de Bom Jesus dos Navegantes e de Nossa Senhora da Boa Viagem como essa mãe que acolhe”.

“A Conceição da praia / Está embandeirada / De tudo quanto é canto / Muita gente vem”

Isaac do Espírito Santo, florista, diz que a procissão é um momento muito emocionante e de muita espiritualidade. “É um pedido ao Bom Jesus dos Navegantes que nos ajude a vencer as dificuldades do ano que se inicia”, relata.

Para Isaac, há um costume realizado durante os festejos que o marcou. “Algumas pessoas tem o costume, quando a procissão sai da Conceição da Praia e vai para o Porto, de jogar arroz que simboliza fartura e moedas no mar enquanto está saindo o cortejo marítimo, é muito bonito”, ressalta.

“De toda parte vem um baticum de samba / Batuque, capoeira e também Candomblé / O sol está queimando / Mas ninguém dá fé”

Ainda pela manhã no dia 1º de janeiro, a procissão sai da Basílica da Conceição da Praia até o pier da Capitania dos Portos, onde as imagens embarcam na Galeota Gratidão do Povo acompanhada de centenas de barquinhos. Desta vez, fará um roteiro pelo mar passando pelo Porto da Barra, depois retorna pela Baía de Todos os Santos até a Ponta do Humaitá. “E aí a gente caminha com a imagem do Bom Jesus dos Navegantes e Nossa senhora da Boa viagem, saudando as pessoas até a Igreja, encerrando assim com o fechamento do templo. No dia 5, tem uma procissão terrestre, que acontece aqui pelas ruas, com as imagens do Bom Jesus, Nossa Senhora da Boa Viagem e esse ano com Santa Dulce dos Pobres também, percorrendo a Avenida Luiz Tarquínio, a Praça Irmã Dulce, pela Avenida Salvador, a Baixa do Bonfim, a rua da Imperatriz, chegando ao Largo da Boa Viagem”, conclui Verônica.

 

Edição: Elen Carvalho