CRISE DA ÁGUA

Cedae vai propor indenização aos consumidores do Rio após pressão da Defensoria

Possível desconto na conta de água seria uma forma de reparar prejuízo causado nos últimos meses

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Desde janeiro, a Cedae tem distribuído água com mau cheiro, cor e gosto de terra para a população - Cedae/Divulgação

A Companhia de Águas e Esgotos do Estado do Rio de Janeiro (Cedae) se comprometeu a enviar uma proposta de indenização aos consumidores afetados pela crise da água no estado até esta quarta-feira (19).

Representantes da empresa, da Defensoria Pública (DP-RJ), do Ministério Público (MP-RJ) e do governo estadual se reuniram pela quarta vez na última segunda (16) para discutir um possível desconto na conta de água dos usuários. 

Desde o início do ano, a água dos moradores do estado do Rio sai das torneiras com mau cheiro, cor e gosto de terra. As alterações são provocadas pela presença da geosmina, uma substância produzida por bactérias presentes na água tratada pela Cedae. A crise no abastecimento aumentou a despesa das famílias que passaram a comprar água mineral. 

Na última sexta-feira (14) a defensora pública Patrícia Cardoso Maciel Tavares, coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon), afirmou que o diálogo com a Cedae não avançou porque há divergências sobre os critérios para definir o valor da indenização. 

“A companhia não reconhece a falha na prestação do serviço e considera ainda que a metodologia utilizada para chegar ao percentual de desconto sugerido pelo Nudecon não é a melhor. No entanto, vamos avaliar se existe condição de chegarmos a uma solução extrajudicial o mais rápido possível para indenizar o consumidor do Rio de Janeiro prejudicado com a má prestação de serviço público tão importante e necessário, que é o fornecimento d’água”, destacou.

Segundo a Defensoria, até o momento, o único avanço nas negociações está na forma da indenização, que poderá ocorrer por meio de desconto na conta de água. Os valores que poderão ser aplicados ainda não foram ajustados.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse e Leandro Melito