Equipe do MST dá dicas de como manter a imunidade alta durante quarentena

Imagem do logo do Podcast

Ouça o áudio:

Agroecologia é referência de boa procedência dos alimentos - Foto: Gibran Mendes
A saúde mental também precisa ser levada em conta

O cuidado com a imunidade é um dos alertas feitos para combater a pandemia de coronavírus. E como podemos fortalecer a defesa do nosso corpo para evitar possíveis contaminações e reações da doença? O setor de saúde do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) tem feito campanhas para ajudar com informações úteis e dicas acessíveis sobre a nossa imunidade em tempos de coronavírus.

A imunidade também é uma prática de vida, desde os nossos hábitos, nossas maneiras de comer, a nossa alimentação, os nossos costumes

A primeira dica sobre o assunto é destacar que alimentação correta é importante para a imunidade, mas não é tudo. A saúde mental também precisa ser levada em conta nos diagnósticos de uma imunidade alta ou baixa. É preciso colocar questões como afetividade, por exemplo, na soma de fatores. Edinaldo Novaes, conhecido como Didi, é do setor de saúde do MST e destaca a importância de pensarmos cada pessoa em sua totalidade quando o tema é imunidade.  

“A imunidade também é uma prática de vida, desde os nossos hábitos, nossas maneiras de comer, a nossa alimentação, os nossos costumes, o que bebemos, se estamos num sofrimento mental ou se estamos bem, as relações afetividades, as nossas vivências pessoais e coletivas. Tudo isso tem a ver com a nossa imunidade e tudo isso pode determinar se vamos estar com uma boa imunidade, se vai estar alta ou baixa”, analisa.


O MST defende a alimentação saudável dentre vários outros direitos / Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Ao mesmo tempo que é necessário respeitar o isolamento, se também preciso manter a cabeça no lugar. Medo e pânico, por exemplo, são fatores que geram ansiedade e, por consequência, liberam substâncias depressoras da nossa imunidade, como o cortisol. Nesse embalo, Edinaldo Novaes ressalta a importância de buscarmos informações sobre a pandemia de forma equilibrada. 

“São todas essas informações que já existem, mas a gente tem que tomar cuidado com essa chuva de muita informação, se não a gente fica com pânico também de que toda vez que ligamos a televisão, todos os canais têm muita informação”.

Ou seja, informação em excesso não significa estar bem informado. Na verdade, além de atrapalhar uma consciência equilibrada sobre a pandemia pode baixar a nossa imunidade, por conta dos níveis de estresse no corpo. A dica neste caso é procurar fontes confiáveis sobre o tema e evitar um consumo midiático excessivo ou sensacionalista.  

:: MST produz álcool 70% para abastecer centros de saúde em município de SC ::

Em relação aos alimentos para a imunidades, as dicas são frutas, legumes e verduras orgânicas, a exemplo de limão, açafrão, açaí, laranja, brócolis e acerola. Vale ainda colocar na lista mel, linhaça, aveia e gengibre. Edinaldo ainda alerta para a importância de conhecermos a procedência desses alimentos e termos sempre atenção no processo de higienização. A utilização de 20g de hipoclorito de sódio em um litro de água para deixar os alimentos de molho antes do consumo é um caminho útil para a higienização.     

No mais, as dicas são, não esquecer o consumo regular de água, em média dois litros por dia para uma pessoa adulta, e manter o máximo possível de regularidade nas noites de sono para fortalecer a imunidade. 

 

Edição: Lucas Weber