ALTERNATIVA

UFPB cria respirador 37 vezes mais barato que os usados hoje contra covid-19

O custo estimado do aparelho é de R$ 400,00 e terá licença aberta para empresas

Brasil de Fato | João Pessoa (PB) |

Ouça o áudio:

Protótipo em demonstração de funcionamento - DPI / Inova UFPB

Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) desenvolveram um respirador alternativo para o tratamento de pessoas com covid-19 que custará cerca de R$ 400, valor 37 vezes menor do que o dos aparelhos vendidos atualmente. O projeto tem licença aberta, ou seja, a UFPB permite que empresas privadas se apropriem da patente para fabricar o equipamento, desde que o fabricante receba autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e submeta o produto a testes do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

O ventilador pulmonar desenvolvido na UFPB faz uso da tecnologia touch screen, é equipado com sistema multibiométrico e tem conectividade wireless. O aparelho pode ser acessado, monitorado e operado em tempo real remotamente por meio de aplicativo em dispositivos móveis (smartphones).
 


Desenho industrial do respirador desenvolvido pela UFPB / DPI/INOVA-UFPB

 

Segundo nota da Agência UFPB de Inovação Tecnológica (Inova UFPB), detentora da patente, o "equipamento é de rápida montagem e programação, sendo possível concluir a montagem e deixá-lo plenamente operável em 60 segundos". A agência destaca que o aparelho não é um respirador de emergência, podendo ser usado indefinidamente, sendo, assim, um substituto aos equipamentos convencionais comercializados atualmente.

:: Universidades do RJ se unem para produzir respiradores, máscaras e álcool 70% ::

Ainda de acordo com a agência, o respirador da UFPB tem custo inferior ao seu equivalente desenvolvido na Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, o aparelho mais barato no mercado custa aproximadamente R$ 15 mil.

Demandado pela Inova UFPB, o respirador foi idealizado em apenas 48 horas pelos pesquisadores Railson Ramos, Mario Ugulino, Válber Almeida, Tiago Maritan e Marcos Alves, do Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN) da UFPB. A patente foi protocolada em 2 de abril no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi).

As empresas interessadas em produzir o ventilador pulmonar devem entrar em contato com a Inova UFPB por meio do e-mail [email protected]

Fonte: BdF Paraíba

Edição: Heloisa de Sousa