isolamento

Terra indígena Tremembé, no Ceará, tem dificuldade de manter barreira contra covid-19

Grupo impôs restrições para entrada em suas terras, mas as recomendações de saúde têm sido desrespeitadas

Brasil de Fato | Fortaleza (CE) |
Em Itapipoca, município onde se situa o território Tremembé, já são 90 casos confirmados de covid-19 e quatro óbitos - Foto: Divulgação

O povo Tremembé da Barra do Mundaú, localizados em Itapipoca (CE), implantou desde sexta-feira (1) uma barreira sanitária, com monitoramento 24 horas na entrada da terra indígena, com o objetivo é proteger o território da pandemia de covid-19.

Os Tremembé estão seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) em relação ao isolamento e ao combate à disseminação do novo coronavírus. No entanto, os indígenas têm encontrado dificuldades para manter a barreira sanitária.

:: Com seis casos suspeitos, indígenas do Ceará fecham aldeias e pedem solidariedade ::

“A coisa aqui está séria. Nós estamos orientando o uso de máscara e várias pessoas não querem respeitar essa orientação. Alguns andam com a máscara no bolso só para fazer o conflito, outros passam (da barreira) com a máscara e, quando passa da porteira, joga a máscara no chão”, conta o agende de saúde indígena Samuel Tremembé. Os indígenas relatam também que aglomerações de pessoas bebendo estão acontecendo dentro do território indígena e temem que possa haver um conflito ainda maior com a presença de pessoas alcoolizadas.

:: Coronavírus escancara feridas da dívida histórica com população indígena ::

Em Itapipoca, município no qual se encontra o território indígena em questão, já são 90 casos confirmados de covid-19, quatro óbitos e ainda 454 casos suspeitos, segundo boletim epidemiológico da Prefeitura de Itapipoca divulgado nesse domingo (3). Caso a pandemia de covid-19 chegue às terras indígenas, poderá ter um efeito devastador para essas populações. Os Tremembé pedem apoio e solidariedade para a manutenção da barreira sanitária no território indígena com o intuito de proteger o território e as pessoas que nele vivem, protegidos.

Fonte: BdF Ceará

Edição: Vivian Fernandes e Monyse Ravena