PANDEMIA

Brasil é recordista mundial em mortes de profissionais de enfermagem por covid-19

Segundo Cofen, em média, duas pessoas morrem a cada dia desde março; óbitos já totalizam 208

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS) |
Falta de EPI's e preparação das unidades de saúde estão entre os fatores que causaram as mortes das enfermeiras e enfermeiros, denuncia Cofen - Fotos Públicas

Já são 208 as enfermeiras e enfermeiros mortos na frente de batalha da covid-19 no Brasil, o mais elevado número do mundo. Uma letalidade de 2,36% segundo o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen).

::Brasil tem um milhão de infectados pela covid-19 e mais de 50 mil registros em um dia::

“É um triste recorde”, lamenta um dos diretores do Cofen, Gilney Guerra. “Isto representa 30% da soma dos profissionais que morreram em todos os países”, compara. “Na média, desde 16 de março, estamos perdendo duas pessoas a cada dia”, acrescenta. 

E o que explica números tão devastadores? Segundo o diretor, o primeiro fator é a falta dos equipamentos de proteção individual (EPIs) ou a disponibilidade apenas de material de segurança inadequado. “Já recebemos, aqui no Conselho, mais de seis mil denúncias sobre isso”, relata Guerra.

::Bolsonaro não assina auxílios aprovados no Congresso e trava pagamento a vulneráveis:: 

Outra causa apontada pelo conselho é a falta de treinamento de pessoal para lidar com a doença.

“Os hospitais não estavam preparados, tudo era muito novo”, registra. O enfermeiro lembra que o processo de intubação de um paciente de covid-19, por exemplo, provoca a liberação de grande carga viral. “O profissional tem que estar muito bem protegido para não se contaminar nesse momento”, exemplifica.

Contaminação passa de 20 mil

O Observatório da Enfermagem,  site implantado pelo Cofen para medir o avanço do coronavírus entre a categoria, revela que 20.206 enfermeiros e enfermeiras foram contaminados. Entre eles, 210 permanecem internados. 

::Profissionais de saúde realizam protestos simbólicos em todo o Brasil neste domingo::

A maioria das mortes (65,38%) ocorreu entre as mulheres, que também representam 85% dos casos de contaminação. Entre todos os óbitos registrados - homens e mulheres - em 57 casos, os enfermeiros tinham entre 41 e 50 anos. Em outras 51 mortes, os profissionais tinham idade entre 51 e 60 anos. Aqueles que morreram com idade entre 60 e 70 anos também totalizaram 51.

“Havia muita gente trabalhando mesmo pertencendo a grupos de risco, o que aumentou o número de mortes”, observa Gilney Guerra. 

Situação nos estados 

São Paulo lidera o número de óbitos entre enfermeiras e enfermeiros, com 40 registros, em seguida vem o Rio de Janeiro com 36, Pernambuco com 27 e Amapá com 16. Os quatro estados apresentaram o pior quadro.

Nos ultimos dias, como se não bastasse o risco de morte e o enfrentamento da doença, enfermeiros e enfermeiras tiveram que lidar com outro problema: o incentivo do presidente Jair Bolsonaro aos seus apoiadores para invadirem hospitais e documentarem se os leitos estavam ou não ocupados.

“Foi uma declaração totalmente descabida, estimulando a desordem”, considera o diretor. “Criou um risco para os profissionais, para os pacientes e para os próprios invasores”, sintetiza.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko e Raquel Júnia