sintonize

Programa Bem Viver: O que se sabe sobre dexametasona e seus efeitos contra à covid?

Corticoide de baixo custo tem mostrado resultados bons para casos graves, mas não é recomendado em outras situações

Ouça o áudio:

No mundo inteiro cientistas correm na busca de algo que funcione para combater coronavírus; na foto: equipe do Instituto Adolfo Lutz em SP - Foto: Governo de São Paulo
Anvisa já se pronunciou afirmando que medicamento não deve ser usado sem prescrição médica

Os estudos são preliminares e nenhum resultado oficial foi publicado nos meios científicos, mas os ânimos já estão exaltados.  A dexametasona foi apontado esta semana como um possível bom medicamento para tratar pacientes em estado grave de covid-19. Pesquisas feitas na Inglaterra na universidade de Oxford revelaram que ele é capaz de diminuir a taxa de mortalidade quando aplicado em pessoas que apresentam um quadro intenso de coronavírus.

:: Com visitas diárias de médicos a todas as casas, Cuba consegue controlar a pandemia ::

É importante ressaltar que em casos leves o medicamento não demonstrou melhora e tampouco quando usado como prevenção. Para entender melhor qual é a situação, escute o Bem Viver desta sexta-feira (19).

:: Médicos contestam decisão do governo de usar cloroquina em crianças e gestantes ::

É destaque também no programa os altos índices de contaminação e mortalidade na população quilombola. De acordo com o boletim epidemiológico do Observatório da covid-19 nos Quilombos, organizado pela Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Quilombolas (Conaq) e do Instituto Socioambiental (ISA)já são 721 casos de quilombolas contaminados no Brasil e 80 óbitos. A taxa de letalidade entre essa população é de 11,09%, mais que o dobro da média nacional, que está em 4,9%.

:: Semente crioula é sinônimo de resistência para o Vale do Ribeira (SP) :: 

Ontem, quinta-feira (18), foi o Dia do Orgulho Autista. A nossa repórter Catarina Barbosa fez uma entrevista detalhada sobre o tema com a neuropediatra Tânia Saad. Ela é coordenadora do Serviço de Neurologia Infantil do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueria, da FioCruz (Fundação Osvaldo Cruz).

:: Fervo: alegria, resistência e crítica social :: 

E para fechar o programa, o Bem Viver rememora a alegria do São João. Saudade de um danças um forró e comer paçoca com os amigos, né? Reviva essa tradicional festa no programa desta sexta-feira


Produção da Rádio Brasil de Fato vai ao ar de segunda a sexta-feira / Brasil de Fato / Bem Viver

Sintonize

O programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG) e Rádio Pife, de Brasília (DF).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira, e nos aplicativos Spotify e Google Podcasts

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Lucas Weber