CULTURA

Quadrilhas juninas sentem impacto de cancelamento de festas de São João no Nordeste

A preparação para o espetáculo deste ano foi paralisada, mas quadrilheiros mantêm acesa a chama da tradição

Brasil de Fato | Recife (PE) |
As quadrilhas são as animadoras das festas juninas das cidades do nordeste - Quadrilha Junina Explode Coração

Junto com os arraiais, as quadrilhas são o maior símbolo dos festejos juninos e representam toda a alegria do forró e do São João, mas em 2020 a festa não vai ter apresentação das quadrilhas. O balancê, o passeio na roça, o túnel, o serrote e todos os outros passos típicos das quadrilhas vão ter que esperar para sair de casa e mostrar a beleza da cultura junina nos arraiais. 

::Pesquisa visa mensurar os impactos da covid nos setores culturais e criativos do país::

Para os quadrilheiros, a preparação começa assim que o mês junino acaba até o início do seguinte, desde o planejamento até os ensaios e confecção de figurinos e cenários.

“A gente teve que interromper todo o processo de criação do espetáculo deste ano: ensaios, confecção de figurinos, cenário, repertório, então tudo parou e está todo mundo com o coração muito triste, de verdade. Mas estamos com esperança de que tudo isso vai passar e depois vamos soltar a emoção de 2020, do São João que não aconteceu”, fala, emocionado, o assistente administrativo Silvio Araújo, que interpreta o noivo da Quadrilha Junina Explode Coração de Petrolina-PE.

 “Tenho fé que em 2021 a gente vai entrar em quadra com emoção, com alegria, com amor, com dedicação, porque isso sim é São João, isso sim é fazer quadrilha”, completa.

365 dias de preparação

Os ensaios começam em janeiro, mas antes disso acontecem as reuniões e o planejamento com a diretoria das quadrilhas sobre o tema, a coreografia e o cenário, além do investimento financeiro necessário para realizar um apresentação.

“O valor que a gente gasta é muito alto, tem toda uma produção; além do transporte e a alimentação”, detalha Silvio, que também conta como eles trabalham para conseguir fazer o São João. “Nós quadrilheiros corremos atrás, fazemos rifas, bingos, feijoadas, pedimos doações nos sinais das cidades, porque não é fácil conseguir dinheiro para fazer os figurinos que usamos para dançar, que são caríssimos. Não é nada fácil, mas a gente faz tudo isso com muito amor e com muito carinho, porque é isso que faz o nosso trabalho no final valer a pena”, acrescenta.


O concurso de Quadrilhas já é tradição das festas juninas em Petrolina / Prefeitura Municipal de Petrolina

Todos os anos, os quadrilheiros trabalham bastante para fazer uma grande festa para os amantes do São João, já que as quadrilhas são as animadoras das festas juninas das cidades. Participar delas é fomentar um aspecto da cultura nordestina que é ainda mais forte no interior.

“Ser quadrilheiro não tem explicação, é amor, é paixão, é entrega, é manter viva essa cultura e através da nossa garra, mostrar esse amor. É dançar de corpo e alma, se entregar de coração, de verdade”, afirma Sílvio, que mesmo trabalhando o dia inteiro como assistente administrativo, encontra tempo para a sua grande paixão.

::Festa Junina do Recife terá programação online e volante por causa do coronavírus::

A saudade do São João vem para todos - as crianças, jovens, adultos e idosos, quer seja os que participam da construção da festa, ou os espectadores que tem o seu amor pelo São João.

“Tem até uma frase que diz que ‘ainda que a fogueira se apague, a paixão do quadrilheiro sempre queimará dentro de mim’. Então, embora a gente não tenha São João neste ano, essa emoção, essa paixão, eu tenho certeza que está dentro do coração de cada quadrilheiro, porque o que a gente quer de verdade é só dançar o nosso São João, é só brincar a nossa festa. Eu, Silvio, tenho muito orgulho de ser quadrilheiro", conclui.

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Raquel Júnia e Vanessa Gonzaga