Financista no MEC

Bolsonaro anuncia ex-militar como novo ministro da Educação

Por redes sociais, ele informou que economista Carlos Alberto Decotelli substitui Weintraub

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Financista foi nomeado para liderar o MEC nesta quinta-feira (25) - Reprodução

O economista Carlos Alberto Decotelli é o novo ministro da Educação. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou a nomeação pelas redes sociais na tarde desta quinta-feira (25). Decotelli substitui Abraham Weintraub, que é alvo de processo no Supremo Tribunal Federal e deixou o cargo após uma gestão marcada por polêmicas. 

Continua após publicidade

::Caiu Abraham Weintraub, o pior ministro da Educação que o Brasil já teve::

Continua após publicidade

O primeiro ministro negro da gestão Bolsonaro recebeu apoio da ala militar e do titular da pasta da Economia, Paulo Guedes. Decotelli havia participado da equipe de transição do atual governo. 

Continua após publicidade

Formado em Ciência Econômicas pela UFRJ, especializado em finanças e ex-oficial da Reserva da Marinha, Decotelli é o terceiro ocupante da pasta no governo Bolsonaro e o 11º ministro militar de sua gestão. Por seis meses, no ano passado presidiu o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que cuida da transferência de recurso a estados e municípios. 

Continua após publicidade

::Entenda o contexto: Retrospectiva 2019 | Militarismo, lógica privatista e corte de verbas na Educação::

O economista esteve também na Secretaria de Modalidades Especializadas do Ministério da Educação, que atua em articulações  de políticas para a educação do campo, para a educação especial de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades.

::Governo Bolsonaro volta a atacar autonomia das universidades e institutos federais::

Aos 67 anos, tem currículo extenso na área de finanças. Escritor e professor, é doutor em Administração Financeira pela Universidade Nacional de Rosário (Argentina), mestre em Administração pela FGV/EBAPE (Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas) e realizou pós-doutorado na Bergische Universitãt Wuppertal (Alemanha). 
 

Edição: Rodrigo Durão Coelho