pandemia

Instituto Butantan: transmissão do coronavírus deve ocorrer até 2021 no país

Pelos cálculos do epidemiologista Dimas Covas, Brasil vai passar das 200 mil mortes por covid-19

|

Ouça o áudio:

25 de março são paulo
Para especialista do Instituto Butantan, ao menos 50% da população deveria permanecer em isolamento social - Nelson Almeida/AFP

A pandemia de coronavírus no Brasil vai seguir crescendo até o ano que vem, prevê diretor do Instituto Butantan. Para Dimas Covas, o Brasil está longe de vencer a pandemia de coronavírus, e o país deve chegar em 2021 com transmissão ativa da doença.

Continua após publicidade

Para fazer a previsão, ele levou em conta os dados do estado de São Paulo, que há quase um mês vem registrando uma tendência de estabilização no número de mortes em função doença.

Continua após publicidade

:: Miguel Nicolelis: flexibilizações no Brasil ocorrem 'fora dos parâmetros da OMS' ::

Continua após publicidade

O problema para Dimas Covas é que essa estabilização acontece em patamares elevados -  com cerca de 300 mortes por dia. " Estamos tendo aí em torno de 300 óbitos por dia em São Paulo. E pode ser que isso se prolongue até o ano que vem", estima. 

Continua após publicidade

Para ele, o número de óbitos e também de novos casos só poderiam cair com o fechamento total, o chamado lockdown, que não conseguiu ser implantado na maior parte do país.

:: Anvisa libera nova fase de testes para vacina de covid-19 em São Paulo :: 

O epidemiologista e professor da faculdade de medicina da USP Eduardo Massad também criticou as medidas que flexibilizam o isolamento social. Para ele, pelo menos 50% da população deveria permanecer em isolamento social, algo que não está acontecendo.

"Os dirigentes têm usado esse platô como argumento para justificar o relaxamento das medidas de isolamento social. O platô é a assinatura do fracasso. Toda curva epidêmica que se preze tem que atingir um pico e cair. Essa está mostrando sinais que vai cair se os 50% forem mantidos. Como as evidências estão mostrando que isso já caiu para próximo de 40%, é muito provável que essa curva se estabilize em 17 novos mil casos por dia só na cidade de São Paulo", afirma.

Pelos cálculos do epidemiologista, o Brasil vai passar das 200 mil mortes por coronavírus.