reabertura

No RJ, 90% dos leitos para covid-19 na rede particular estão ocupados

Na rede pública, o percentual é 75% para leitos de UTIs e 57% em enfermarias; procura cresceu após feriado em setembro

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
O patamar mais alto de ocupação ocorreu em maio, com 97% de ocupação na rede privada - Michael Dantas/AFP

A medida que o município do Rio de Janeiro avança no processo de flexibilização, a taxa de ocupação de leitos para covid-19 aumenta. De acordo com o diretor da Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro, o pediatra Graccho Alvim, a rede privada está hoje com 90% dos leitos para covid-19 ocupados.

Em entrevista ao G1, o médico revelou que são cerca de 500 leitos destinados à pacientes com coronavírus na rede particular e que a procura por leito cresceu após o último feriado.

"Após o feriado de sete de setembro, começamos a notar um aumento na procura de pacientes com sintoma de covid-19. Dos leitos ofertados atualmente para covid-19, a gente está com 90% de ocupação", disse Alvim.

Leia maisJustiça autoriza retorno das aulas nas escolas privadas do Rio a partir desta quinta

Apesar da elevada taxa de ocupação dos leitos destinados à covid-19, o pediatra explica que o patamar mais alto ocorreu em maio, com 97% de ocupação na rede privada. Alvim ressaltou ao G1 que o gerenciamento de leitos nas unidades particulares é mais fácil do que na rede pública. 

"A rede privada tem a capacidade de regular o 'leito covid' de acordo com o crescimento da doença. Se a gente tem um crescimento exponencial e precisa do dobro de leitos, a gente tem condições de destinar aqueles leitos que não são covid e transformá-los em covid", revelou o pediatra à reportagem do portal.

Atualmente, a rede SUS do município do Rio de Janeiro, que inclui leitos de UTI nas unidades municipais, estaduais e federais, o percentual é de ocupação é de 75%. Nas enfermarias, a taxa é de 57%.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Jaqueline Deister e Rodrigo Chagas