acirrado

Belém: PSOL disputará 2º turno com candidato bolsonarista; Barbalhos ficam de fora

Ex-prefeito Edmilson Rodrigues (PSOL) mais de 245 mil votos. Eguchi, do Patriota, recebeu mais de 160 mil

Brasil de Fato | Belém (PA) |

Ouça o áudio:

Esquerda e direita estarão frente a frente no segundo turno da capital paraense - Reprodução

Nas próximas duas semanas, os candidatos Edmilson Rodrigues (PSOL) e Delegado Federal Eguchi (Patriota) vão continuar a disputa pelos votos dos eleitores da capital paraense, até o segundo turno marcado para o dia 29 de novembro. Com 100% das urnas apuradas, Edmilson Rodrigues teve 34,22% dos votos válidos e o delegado Eguchi 23,06%.

Continua após publicidade

O candidato do governador Helder Barbalho (MDB), seu primo José Priante (MDB), ficou em terceiro lugar com 17,03% dos votos, sendo, assim, excluído da disputa pela prefeitura de Belém. 

A expectativa para os próximos dias é pela composição de possíveis alianças de apoio com partidos de outras coligações.

Edmilson Rodrigues tem 63 anos e já foi prefeito de Belém, entre 1997 a 2004, quando era filiado ao PT. Rodrigues está à frente de uma aliança que reúne outras cinco legendas – PT, PDT, Rede, UP e PCdoB. Seu vice é o professor Edilson Moura (PT), de 57 anos.

Entre os feitos mais conhecidos da gestão do ex-prefeito estão a revitalização do Mercado do Ver-o-Peso, e do Mercado de São Braz, que atualmente encontra-se abandonado.

::Acompanhe a cobertura das Eleições 2020 do Brasil de Fato::

Seu adversário no segundo turno será o delegado da Polícia Federal, Everaldo Jorge Martins Eguchi tem 57 anos. Seu vice, o Sargento Quemer também é do Patriota e tem 46 anos. Em 2018, Eguchi concorreu pela primeira vez a um cargo público e se elegeu deputado federal.

Em sua página oficial na internet, Eguchi se define como "delegado de polícia federal, advogado, economista e cristão". Suas bandeiras seguem a linha defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

 


Artes foram usadas na campanha do candidato Eguchi na internet e estão em seu Facebook. / Reprodução/Facebook

Edição: Rodrigo Chagas