LUTO E LUTA

Movimento negro de BH convoca protesto para a porta do Carrefour

Manifestação ecoa o lema “Nossas vidas importam”

Belo Horizonte | Brasil de Fato MG |
Na foto, ato contra o genocídio negro em São Paulo (SP), em 2014 - Foto: Mídia NINJA

Negros e negras de Belo Horizonte irão manifestar sua dor frente à morte de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, homem negro que foi espancado por seguranças brancos na unidade do Carrefour em Porto Alegre (RS). O ato acontece às 15h de hoje (20), em frente ao Carrefour da avenida Afonso Pena com Rua Guajajaras, Belo Horizonte.

Continua após publicidade

O nome do ato “Luto e Luta – por João Alberto e por nós! Nossas vidas importam!” reflete a preocupação com o extermínio da população negra. A coordenadora do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e uma das organizadoras do ato, Luiza Datas Cruz, chama atenção de que o caso não é único, nem mesmo dentro do próprio Carrefour.

:: Leia também: Sete vezes em que o Carrefour atuou com descaso e violência ::

“Não é a primeira vez que a gente vê algo desse tipo acontecendo por seguranças do Carrefour. Não vamos culpar o trabalhador, mas existe na estrutura de poder [do supermercado] alguma orientação de como agir nessas situações”, argumenta.

Luiza reflete que o protesto tem o objetivo de convocar as pessoas a se posicionarem frente a uma situação racista, “não deixar passar as barbaridades que acontecem” e transformar os posicionamentos que já acontecem nas redes sociais em ações do dia a dia. A manifestação está sendo chamada em Belo Horizonte pelo Núcleo Rosa Egipcíaca, do PSOL.

::Bancada negra eleita em Porto Alegre repudia crime e convoca ato "justiça para Beto"::

Dia da Consciência Negra

O caso é extremamente simbólico, visto que aconteceu às vésperas do Dia Nacional da Consciência Negra e de Zumbi, 20 de novembro.

Também em Belo Horizonte, acontece na Ocupação Pátria Livre no sábado (21) a programação: “Nossas vidas importam. Vamos falar sobre nós?”. Às 16h, uma Roda de Conversa sobre Racismo Institucional. Às 17h, apresentações de artistas da Pedreira Prado Lopes e, às 18h, uma conversa sobre “Racismo religioso existe?”. Em seguida, haverá o ensaio aberto do bloco de carnaval Yourubloco.

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Elis Almeida