Passo a passo

Saiba como solicitar o seguro-desemprego pela internet

Durante a pandemia, 87% dos pedidos foram solicitados pela internet em abril, frente a 10% em fevereiro

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Carteira de trabalho
Foram 840 mil empregos perdidos apenas no mês de março. O aumento das demissões representam 17,2%, enquanto as admissões tiveram queda de 56,5% em relação a 2019 - Marcos Santos/USP Imagens

A solicitação do seguro-desemprego pode ser feita pela internet. O serviço está disponível desde novembro de 2017, mas os percentuais de acesso subiram expressivamente a partir do segundo semestre deste ano. Em plena pandemia do coronavírus, no mês de abril, por exemplo, 87% dos pedidos foram feitos online. Em comparação, dois meses antes, em fevereiro, apenas 10% das pessoas acessaram a modalidade virtual do serviço.  

Como pedir o seguro-desemprego?

A solicitação do seguro-desemprego pela internet pode ser feita pelo aplicativo Carteira de Trabalho Digital (disponível para Android e Apple), na seção da Secretaria do Trabalho no site do Ministério da Economia ou por e-mail para uma unidade das Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (SRTE). O endereço de e-mail de cada SRTE nos estados segue um modelo como trabalho.(sigla do estado)@economia.gov.br. Por exemplo, [email protected] O serviço também pode ser solicitado pelo telefone número 158.

::Desemprego alcança 13,13 milhões de pessoas e bate novo recorde::

Quem pode receber?

A solicitação pode ser feita por profissionais de carteira assinada demitidos sem justa causa; que tiveram rescisão indireta de contrato de trabalho; empregados domésticos; trabalhador sem renda suficiente para manter a si e sua família; resgatado de condição análoga à escravização; pescadores durante o período do defeso. 

A legislação proíbe o pagamento do seguro-desemprego àqueles que já recebem algum tipo de benefício previdenciário de prestação continuada, exceto auxílio-acidente, auxílio suplementar e abono de permanência em serviço.

Tempo mínimo de trabalho

O trabalhador precisa ter trabalhado por um período mínimo antes de solicitar o seguro-desemprego, mas que varia conforme quantos pedidos pelo benefício o trabalhador já requereu. 

Caso seja a primeira vez que o seguro-desemprego está sendo solicitado, o cidadão precisa ter trabalhado pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses imediatamente anteriores à dispensa. Segundo pedido: nove meses nos últimos 12 meses anteriores à dispensa. Demais pedidos: seis meses imediatamente anteriores à dispensa. 

::Austeridade e falta de políticas acentuam desemprego para jovens, afirma economista::

Quanto o trabalhador pode receber?

O número de parcelas varia de três a cinco, dependendo do tempo de trabalho do cidadão. O valor de cada uma delas é calculado pela média dos três últimos salários multiplicado por uma porcentagem. 

Se o valor da média for até R$ 1.599, 61, será feita uma multiplicação por 0,8 (80%); entre R$ 1.599,62 até R$ 2.666,29, por 0,5 (50%), mais R$ 1.279,69. Acima de R$ 2.666,29, o valor é fixado em R$ 1.813,03. Para pescadores, trabalhadores resgatados de condição análoga à escravização e empregados domésticos, o valor é fixado no salário mínimo vigente (R$ 1.045).

::Pela primeira vez, Brasil tem menos de 50% dos trabalhadores ocupados::

Como recebo o seguro-desemprego?

O dinheiro é depositado em conta simplificada ou conta poupança digital da Caixa Econômica Federal; saque em agências do banco com a apresentação de documento de identificação, carteira de trabalho e requerimento de seguro-desemprego; ou em saque em terminais de autoatendimento, como lotéricas e casas de conveniência com o cartão cidadão.

Edição: Daniel Lamir