LUTA ARMADA

Morre Domingos Fernandes, guerrilheiro da Ação Libertadora Nacional (ALN)

Dirigente era um dos mais importantes militantes da organização e participou de ações ao lado de Carlos Marighella

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Fernandes foi quem datilografou o "Mini-Manual do Guerrilheiro Urbano", obra-prima de Marighella - Foto: Memorial da Resistência

Domingos Fernandes, guerrilheiro da Ação Libertadora Nacional (ALN), faleceu nesta terça-feira (1), aos 75 anos. Expoente na luta armada contra a ditadura militar, Fernandes foi preso, torturado e exilado. Ao retornar ao país tornou-se um dos pioneiros do Partido Verde. 

Continua após publicidade

Nascido em 1945, o dirigente dedicou a vida à luta contra a repressão. Adotou Jorge como nome de guerra e era chamado carinhosamente como “Barba”. Informações iniciais de outros militantes da ALN afirmam que ele morreu em decorrência de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

:: "Não tive tempo para ter medo": 50 anos da morte de Carlos Marighella ::

Segundo o escritor Mário Magalhãoes, autor da biografia de Carlos Marighella, líder da ALN, Fernandes "foi um dos últimos companheiros a se encontrar com Marighella, um dia antes do assassinato do inimigo público número um da ditadura”.

O militante da ALN no Rio de Janeiro foi preso em 1969 e libertado no ano seguinte, integrando o grupo de 40 presos políticos trocados pelo embaixador alemão Ehrenfried von Holleben, sequestrado em 1970 pela organização.

Exiliou-se em diversos países como Argélia, Cuba, Itália, Chile, Argentina e Portugual, retornando ao país em 1979 com a Anistia. 

Em entrevista ao Brasil de Fato em razão dos 50 anos da morte de Marighella, Domingos falou sobre a trajetória do guerrilheiro.

“Ele gostava de ser chamado de Preto. Primeiro, porque ele era preto mesmo e tinha orgulho da sua história. Depois, porque a gente geralmente não podia falar o nome das pessoas”, relatou.

Fernandes foi quem datilografou o Mini-Manual do Guerrilheiro Urbano, obra-prima de Marighella. “Esse livro foi a coisa mais bonita que ele [Marighella] escreveu”. 

 

Edição: Rogério Jordão