BLOQUEIO

Estados Unidos voltam a considerar Cuba um Estado patrocinador do terrorismo

Faltando nove dias para deixar a presidência, Donald Trump emite novas sanções contra o governo cubano

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela) |

Ouça o áudio:

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou a reinclusão de Cuba na lista de países financiadores do terrorismo - Cuba Debate

O governo dos Estados Unidos anunciou, nesta segunda-feira (11), que voltará a incluir Cuba na lista dos países "financiadores do terrorismo". A medida havia sido retirada em 2015 pela gestão de Barack Obama. Com isso, a administração Trump recrudesce o bloqueio imposto desde 1961 contra a ilha caribenha.

:: Coluna de Marajuara Azambuja: Cuba vs bloqueio ::

"Voltaremos a responsabilizar o governo de Cuba e enviaremos uma mensagem clara: o regime de Castro deve por fim ao seu apoio ao terrorismo internacional e à subversão da justiça estadunidense", declarou o secretário de Estado Mike Pompeo. 

Dessa forma, Cuba se une à Coreia do Norte, Irã, Sudão e Síria. Todas as nações incluídas na lista estão proibidas de vender armamentos e de receber empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI).

:: Cuba e Venezuela: como países bloqueados conseguem enviar ajuda médica internacional? ::


Em 2015, depois das negociações entre Raul Castro e Barack Obama, Cuba foi retirada da lista depois de 33 anos / Granma

Apesar de não apresentar qualquer prova de cooperação com grupos internacionalmente classificados como terroristas, a Casa Branca busca penalizar o governo cubano por sua relação com o presidente venezuelano Nicolás Maduro e por supostamente albergar "durante décadas" refugiados políticos, considerados "terroristas" por Washington. 

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez Parra, classificou de "cínica" a ação dos Estados Unidos. "O oportunismo político desta ação é reconhecido por todo aquele que tenha uma preocupação honesta ante o flagelo do terrorismo e suas vítimas", declarou Parra. 


A decisão também pode espantar novos parceiros comerciais da ilha. A sanção é aplicada nove dias antes de Donald Trump deixar a presidência, em um contexto de um possível impeachment e num cenário incerto para a economia cubana.

Tarefa Ordenamento

Desde o 1º de janeiro está vigente no país a Tarefa Ordenamento: uma reforma completa do sistema monetário e fiscal, que incluiu a unificação monetária, aumento dos salários e aposentadorias em 450 e 500%, e incentivo à propriedade estrangeira na ilha.

Segundo o próprio Executivo cubano, a unificação monetária deverá gerar uma desvalorização de 2.300% da moeda, já que atualmente o setor empresarial pode acessar os dólares à taxa de câmbio de 1 CUC = US$1. Com o fim do controle de câmbio, os empresários deverão acessar os dólares sem subsídio do Estado. 

Repercussão internacional

A chancelaria venezuelana emitiu um comunicado em apoio à Cuba e rechaçando a postura dos Estados Unidos. "Esta decisão reflete o uso político e ideologizado que Washington faz com um assunto tão sensível como é a luta contra o terrorismo", afirmaram. 


O secretário-executivo da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba-TCP) também se manifestou.  "A arbitrária decisão dos Estados Unidos não viola somente a Carta das Nações Unidas e o direito internacional, como afronta os povos do mundo. Em meio à pandemia e sob um bloqueio criminoso, Cuba envia médicos e salva milhares de vidas", publicou Sacha Llorenti. 

 

 

Edição: Camila Maciel