Pandemia em números

RS volta a registrar mais de 100 óbitos e cerca de 4 mil novos casos

Estado tem mais de 9,6 mil registros de óbitos; no país, foram mais de mil mortes nas ultimas 24h

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS) |
Cemitério de Manaus (AM) está construindo novas gavetas para receber mais vítimas - Divulgação SES SEPLAG

O Rio Grande do Sul registrou 121 óbitos nas últimas 24 horas pela covid-19, conforme boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgado nesta terça-feira (12). Com isso, já são 9.619 vidas perdidas no território gaúcho desde o início da pandemia.

O estado também já registra 485.757 infectados pela doença, com a confirmação de 3.935 novos casos pela SES. Dos confirmados, 485.757 (95%) são considerados recuperados.

:: Com alta de mortes por covid, Manaus deve instalar câmaras frigoríficas em cemitério ::

Porto Alegre é a cidade com mais registros de óbitos e voltou a ser a cidade com mais vítimas fatais no boletim com informações das últimas 24h: foram 20 vidas perdidas. Na sequência, aparece Canoas, com 10 óbitos. Caxias do Sul e Pelotas são as próximas da lista com 6 registros de óbitos. Após, Alvorada e Santa Maria tiveram 4 registros cada.

Novo Hamburgo, Gravataí, Rio Grande, Esteio, Bagé e Santa Cruz do Sul tiveram 3 registros de mortes cada. Viamão, São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Sapiranga, Parobé, Portão, Santiago e Nova Prata tiveram 2 registros cada. Nenhuma outra cidade teve registro de mais de uma vítima fatal.

A quantidade de municípios que ainda não registraram mortes por covid-19 segue caindo: dos 497 municípios gaúchos, apenas 81 não têm registro de vítimas fatais. 

:: Brasil tem semana com mais casos de covid-19 desde início da pandemia ::

19 regiões do RS na bandeira vermelha

Nesta segunda-feira (11) todos os cinco pedidos de reconsideração ao mapa preliminar da 36ª rodada do Distanciamento Controlado foram negados. Dessa forma, o Rio Grande do Sul ficou com mais de 95% da sua população sob bandeira vermelha, ou seja, sob risco alto de contaminação.

Confira a classificação definitiva da 36ª rodada aqui.

O governo anuncia também que haverão algumas mudanças em protocolos, que deverão ser publicados no próximo decreto semanal de atualização das bandeiras vigentes. Confira aqui as mudanças.

Além disso, foi divulgada a aquisição de 10 milhões de seringas, que se somam com às 4,5 milhões de seringas em estoque no Estado: "Já existem 5 milhões de agulhas que podem ser usadas em outras seringas, caso necessário, para o início da imunização contra o coronavírus tão logo as vacinas sejam disponibilizadas", informa a Secretaria de Saúde.

:: RS chega à marca de 9.200 óbitos e mais de 75% de leitos de UTI ocupados ::

Ocupação de leitos está acima dos 76%

Às 17h de hoje, a ocupação em todo o estado estava em 76,3%, sendo 2.014 pacientes em 2.640 leitos de UTI. Na rede privada, a ocupação era de 84,6% e no Sistema Único de Saúde, 73,1%. Entre os internados, 842 (41,8%) têm covid-19 confirmada e 142 têm suspeita da doença.

Em Porto Alegre, a quantidade de pacientes com covid-19 segue abaixo de 300. A taxa de ocupação das UTIs fechou o dia em 86,23%.

Hospital Cristo Redentor, Ernesto Dornelles e Moinhos de Vento estão com lotação máxima, sendo que o Instituto de Cardiologia, Hospital de Pronto Socorro e Mãe de Deus estão com mais de 90% de seus leitos de UTI ocupados.

Entre os 689 pacientes internados na cidade, 265 têm covid-19 confirmada, 27 têm suspeita da doença e 5 estão na emergência aguardando UTI.

País registra mais de mil mortes nas últimas 24h

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado hoje (12), mais 1.110 óbitos e 64.025 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 204.690 mortes e 8.195.637 contaminados pelo novo coronavírus. Da última semana epidemiológica de 2020 para a primeira de 2021 houve um acréscimo de mais de 100 mil novos casos.

Manaus deve instalar câmaras frigoríficas em cemitério

Reportagem do Brasil de Fato informa que a Prefeitura de Manaus (AM) deve voltar a instalar câmaras frigoríficas no cemitério onde são realizados a maior parte dos enterros da região. As estruturas serão destinadas ao armazenamento de corpos que não puderam ser enterrados de imediato, devido à alta demanda causada pela covid-19.

No domingo (10) foi registrado recorde no número de enterros diários. Foram 144 corpos, terceiro dia consecutivo de patamares superiores a 100. A média diária de velórios subiu quase 90% nos quinze dias entre a última semana de dezembro e a primeira de janeiro. Somente no sábado (8), 235 pessoas foram hospitalizadas, maior patamar já alcançado.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a  OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Camila Maciel e Katia Marko