Paraná

Coalizão Negra por Direitos faz ato por auxílio emergencial e políticas sociais

Entidades, sobretudo de mulheres negras, chamam para protesto em Curitiba na quinta (18): pauta ampla por direitos

Curitiba (PR) |
As organizadoras do ato, mulheres negras em sua maioria, questionam sugestões do governo federal de retomar o valor do auxílio emergencial por somente quatro meses
As organizadoras do ato, mulheres negras em sua maioria, questionam sugestões do governo federal de retomar o valor do auxílio emergencial por somente quatro meses - Pam Santos / @soupamsantos

A Coalizão Negra por Direitos, articulação nacional, composta por entidades do movimento negro, organiza ato na quinta (dia 18), às 17h30, na praça Santos Andrade, em Curitiba.

Continua após publicidade

Entre várias medidas emergenciais, a coalizão pede ampla cobertura da vacinação e pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600.

O auxílio foi finalizado pelo governo federal com último pagamento em dezembro, e havia alcançado diretamente 66 milhões de pessoas, por meio da Caixa Econômica Federal.

Agora, a coalizão deve protocolar pedidos no Legislativo exigindo leis e ações de atendimento à população pobre durante a pandemia.

Leia mais: STF julga auxílio a quilombolas: relator vota a favor; entidades acham pouco

As condições de vida da população trabalhadora e, em particular, da população negra, precarizam-se cada vez mais. O boletim número 26 do Dieese, de fevereiro de 2021, aponta que, no Brasil, o nível da ocupação ficou em 48,6%, ou seja, menos da metade da população em idade para trabalhar estava ocupada.

As organizadoras do ato, mulheres negras em sua maioria, questionam a sondagem do governo federal de retomar o valor do auxílio emergencial por somente cerca de quatro meses, com o valor de apenas cerca de R$ 250.

“A importância do ato é por conta do auxílio emergencial, e sabemos por informações concretas que o auxílio vai cair para menos da metade. O ato está sendo organizado (no Paraná) por integrantes do movimento negro, dos movimentos sociais, da saúde e da educação”, explica Angela Sarneski, uma das militantes organizadora do ato – também integrante da Rede de Mulheres Negras do Paraná.

Lutas

Entre as pautas da coalizão (veja lista abaixo) estão a erradicação da política considerada genocida do governo contra a população negra e indígena, bem como o fim da Emenda Constitucional 95 “que retirou investimentos da saúde e provocou o sucateamento do Sistema Único de Saúde (SUS) – perdemos R$ 18 bilhões de investimentos em 2019”.

Dados como o aumento da mortalidade materna chamam a atenção para a ausência de políticas públicas voltadas para este segmento majoritário da população brasileira, bem como o impacto sobre a juventude negra.

Neste grave momento da política econômica brasileira e da crise sanitária, a insegurança alimentar cresceu 13% em 3 anos, o desemprego aumentou e o número de horas trabalhadas diminuiu, de acordo com a Cepal, órgão das Nacões Unidas para América Latina e Caribe; e a massa de rendimentos dos trabalhadores recuou 2,8% entre o ano de 2019 e 2020, de acordo com o Dieese.

Os movimentos organizadores dos atos, nesse sentido, pautam a necessidade de uma renda básica permanente, aponta Angela Sarneski.

Pautas da Coalizão Negra por Direitos:

  • Ampla cobertura vacinal;

  • Imediata retomada do Auxílio Emergencial até o fim da pandemia e consequente aprovação de uma Renda Básica permanente, sem prejuízo do Bolsa Família;

  • Fortalecimento dos Benefícios de Prestação Continuada; 

  • Atendimento a todos os protocolos de proteção determinados pela Organização Mundial de Saúde enquanto perdurar a pandemia;

  • Erradicação da política “genocida” do governo contra a população negra e indígena;

  • Fim da Emenda Constitucional 95 “que retirou investimentos da saúde e provocou o sucateamento do Sistema Único de Saúde (SUS) – perdemos R$18 bilhões de investimentos em 2019”.


 

 

Fonte: BdF Paraná

Edição: Lia Bianchini