Pandemia em números

Rio Grande do Sul soma mais de 20 mil mortes por covid-19 e 860 mil casos da doença

Apesar da leve desaceleração na ocupação das UTIs, a situação do colapso no sistema de saúde ainda é preocupante 

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Pacientes com covid-19 são tratados no Hospital Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre, que precisou fechar duas de três emergências no dia 14 de março ao atingir 300% de ocupação - Silvio Avila/AFP

O Rio Grande do Sul, pela sexta semana consecutiva, segue com todas as regiões em bandeira preta, o que significa risco altíssimo de contaminação pelo novo coronavírus, apesar de leve queda de internações em leitos clínicos e de UTI.

Na última segunda-feira (5), foram registrados 101 óbitos, conforme boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES), totalizando 20.600 mortes em função da doença.

O RS também soma 860.924 infectados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, com a confirmação de 906 novos casos pela SES. Dos infectados até o momento, 826.381 (96%) são considerados recuperados e 13.871 (2%) estão em acompanhamento. 

De acordo com a SES, Pelotas foi a cidade com o maior número de vítimas fatais registrada na segunda (7), com sete óbitos, seguida de Alvorada (6), Não-Me-Toque (5), Viamão (4), Porto Alegre, São Leopoldo, Cachoeirinha, Eldorado do Sul e Candelária (3). Outras diversas cidades registraram pelo menos um ou dois óbitos.

Dos 497 municípios gaúchos, somente 20 não têm registro de vítimas fatais em função do novo coronavírus.

Apesar da leve queda, situação das UTIs segue preocupante 

Após mais de um mês de leitos de UTI superando a taxa total de ocupação, a ocupação geral das UTIs em todo o Rio Grande do Sul marcou 96%, às 18h da última segunda (6). São 3.253 pacientes em 3.387 leitos de UTI. Dos internados, 2.376 (73,3%) têm diagnóstico positivo para a doença e mais 136 (4,2%) estão sob suspeita.

A rede privada segue com superlotação, com 108,5% de ocupação dos leitos de UTI. Já os leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) registram ocupação de 90,3%. Dos 2.453 leitos do SUS em operação, 2.215 estavam ocupados.

Porto Alegre tem 759 pacientes com covid em leitos de UTI 

A capital gaúcha segue com sistema hospitalar colapsado, registrando ocupação das UTIs de 104,32%. Ao menos seis hospitais estão atendendo além da sua capacidade, um está ocupação máxima, seis estão em lotação acima de 90%, três estão acima de 80% e um acima de 70%.

Dos 1.039 pacientes em cuidados intensivos na capital, 759 têm covid-19 confirmada. Além disso, 52 têm suspeita da doença e 88 positivados aguardam na emergência por leitos.

RS mantém bandeira preta em todo território

Pela sexta semana consecutiva, o mapa do modelo de Distanciamento Controlado traz o Rio Grande do Sul inteiro em risco altíssimo devido à pressão sobre a capacidade hospitalar. Isso significa que, nesta 48ª rodada, todas as 21 regiões do estado estão em bandeira preta.

De acordo com o Executivo estadual, apesar da redução na velocidade de propagação e no número de internados, o sistema hospitalar segue sob pressão fortíssima, o que se traduz na elevada quantidade de mortes.

“O aumento no número de óbitos na semana foi bastante expressivo, com crescimento de 16% de uma semana para outra – de 1.824 para 2.124. É o maior registro em uma semana desde o começo da pandemia”, explica o setor de assessoria de imprensa da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão

Ainda de acordo com o governo do estado, a ocupação próxima a 100% indica forte pressão sobre o sistema hospitalar, e isso significa que a operação segue acima da capacidade indicada em algumas regiões do estado. Ou seja, quem precisar de atendimento ainda encontrará uma rede hospitalar lotada.

:: Veja aqui o levantamento completo da 48ª semana do Distanciamento Controlado ::

Vacinação 

O RS recebeu, até o momento, 2.861.600 doses de vacinas contra a covid-19, das quais foram distribuídas 2.782.399 aos municípios gaúchos. Já foram aplicada 57%, sendo 1.274.700 da primeira dose e 312.105 da segunda, totalizando 1.586.805 doses. 

Nesta terça-feira (6), Porto Alegre começará a imunizar pessoas com 65 anos. Já os trabalhadores da segurança pública começaram a ser vacinados nesta segunda-feira (5) em locais específicos. 

Mais de 332 mil vítimas fatais em todo o país

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado na segunda (5), 1.319 óbitos e 28.645 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 332.752 mortes e 13.013.601 contaminados pelo novo coronavírus.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]  

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira e Poliana Dallabrida