DEMORA DA ANÁLISE

CPI da Covid recebe diretor da Anvisa para falar de cloroquina e Sputnik; acompanhe

Antonio Barra Torres deve ser questionado sobre demora na análise da vacina e tentativa de mudar bula de medicamento

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Depoimento de Barra Torres à CPI deve se estender até a tarde desta terça-feira - Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Depois do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e dos ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, chegou a vez de Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

Continua após publicidade

A participação de Barra Torres está prevista para as 10h desta terça-feira (11). Acompanhe no link abaixo:

O tema central do depoimento é a suposta negligência do governo federal na compra de vacinas. Nesse sentido, o diretor da Anvisa deve ser questionado pelos senadores sobre a demora para análise da Sputnik V, fabricada pela Rússia. No último dia 26, técnicos da agência recomendaram a não aprovação do imunizante.

No último dia 10, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que a Anvisa informe em até 48 horas quais documentos faltam para uma análise definitiva do pedido de importação da vacina russa. 

Outro questionamento provável nesta terça é a tentativa do governo federal de alterar a bula da cloroquina, conforme relatado por Mandetta, para que o medicamento fosse recomendado contra o novo coronavírus.

Barra Torres tem proximidade com Jair Bolsonaro (sem partido), mas defende medidas que o presidente discorda, como o isolamento social.

Depois do diretor da Anvisa, a CPI ouvirá o ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten. O depoimento está previsto para quarta-feira (12).

:: Bolsonaro segue apostando na imunidade de rebanho: ‘crime continuado’, diz senador ::

Acompanhe minuto a minuto o depoimento do diretor-presidente da Anvisa no Brasil de Fato:

Edição: Vivian Virissimo