Ato pró-Bolsonaro

Repórter da CNN é expulso de ato no Rio, e vereador bolsonarista comemora; veja vídeo

Imagens mostram jornalista Pedro Duran sendo atacado por manifestantes, que gritam “vagabundo”, “lixo” e “CNN lixo”

|
Repórter da CNN teve que ser retirado do local sob a proteção das forças de segurança que acompanhavam o ato - Reprodução/Twitter

O repórter Pedro Duran, da CNN Brasil, foi expulso de ato realizado no Rio de Janeiro por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) neste domingo (23). Ele estava cobrindo a manifestação, que contou com a presença do ex-capitão do Exército de seu ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello.

Continua após publicidade

Vídeo divulgado pelo vereador bolsonarista Douglas Gomes (PSL), de Niterói (RJ), mostra o jornalista sendo atacado por bolsonaristas, que gritam “vagabundo”, “lixo” e “CNN lixo” para o profissional de imprensa. Policiais militares escoltaram o jornalista até uma viatura para que ele saísse do local em segurança.

Continua após publicidade

 

Continua após publicidade

 

Nas redes, diversos jornalistas prestaram solidariedade ao repórter. “Se vocês aceitarem isso como normal, merecem mesmo é sobreviver debaixo de um governo autoritário. Toda solidariedade a brava equipe da CNN Brasil, hostilizada no Rio de Janeiro, ao tentar cobrir a aglomeração feita pelo presidente da República”, escreveu Renan Brites Peixoto, da TV Globo, no Twitter.

O deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG) também condenou o ataque. “Vejam as imagens da tentativa de agressão contra o repórter da CNN na manifestação fascista no Rio. Ele teve que ser escoltado e sair de camburão. Os criminosos é que prendem o trabalhador. É a democracia que está sendo destruída. #imprensalivre”, tuitou.

CPI da Covid vai pedir explicações

Dois dias após causar aglomeração e ser multado pelo governo no estado do Maranhão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou, sem máscara, de ato com motociclistas e discursou em cima de carro de som para seus apoiadores que se aglomeraram neste domingo (23) na cidade do Rio de Janeiro. Ele estava acompanhado de seu ex-ministro da Saúde general Eduardo Pazuello, que também não usava qualquer proteção ou anteparo no rosto.

Por causa disso, o vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que vai pedir esclarecimentos à Prefeitura do Rio de Janeiro e ao governo do estado sobre a aglomeração na cidade neste domingo. Atualmente, normas em vigor tanto municipais como estaduais proíbem a realização de eventos que causem aglomeração na cidade, visando reduzir o contágio da covid-19.

::Em medida inédita, Dino vai multar Bolsonaro por promover aglomeração no Maranhão::

O ato de Bolsonaro contou com centenas de motociclistas que passearam pelas ruas da Barra da Tijuca, bairro da zona Oeste do Rio onde o presidente mantém uma residência, no condomínio "Vivendas da Barra". A manifestação terminou com um ato político e aglomeração na orla da praia, onde apoiadores do presidente se reuniram para ouvir o mandatário e seus correligionários políticos, entre eles Pazuello e o deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), que usava uma camiseta com a figura de Bolsonaro em cima de um cavalo.


Ato causou aglomeração e feriu normas estaduais e municipais, mas autoridades do Rio de Janeiro nada fizeram para impedi-lo / Divulgação

O senador Randolfe Rodrigues criticou o encontro e disse querer saber se houve autorização - por parte da prefeitura e do governo estadual - para a realização do evento.

Se não houve, cobraremos quais as providências serão tomadas para responsabilizar o presidente da República por conta da clara infração à ordem sanitária“, afirmou.

Para o vice-presidente da CPI da Covid, a aglomeração, que teve a presença também do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, foi um “acinte às quase 450 mil famílias enlutadas“.

Já para o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, o evento se tratou de "espetáculo de covarde omissão que ignora hospitais lotados e a nova cepa Indiana". Veja abaixo publicação do jurista em suas redes sociais.

::Cepa indiana e aumento de casos acendem alerta para terceira onda no Brasil::