Amazonas

Prefeito de Manaus pede intervenção federal em meio a ataques do Comando Vermelho

David Almeida afirmou que solicitou a convocação da GLO ao Comandante Militar da Amazônia

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Presença do Exército nas ruas para controlar os ataques do Comando Vermelho é solicitada pelo prefeito de Manaus - AFP

A onda de ataques incendiários da facção criminosa Comando Vermelho em Manaus e outros quatro municípios próximos levou o prefeito David Almeida (Avante) a solicitar a convocação do Adestramento Básico de Operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), isto é, a presença do Exército nas ruas para controlar os ataques. 

Continua após publicidade

Durante coletiva de imprensa deste domingo (6), Almeida afirmou que conversou com o Comandante Militar da Amazônia, general Estevam Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, e o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC).

:: Cheia recorde do Rio Negro: AM já registrou 6 das 10 maiores cheias na última década ::

“O Estado não pode recuar, tem que ter muita firmeza nesse momento. Se estão fazendo isso a luz do dia, durante a noite pode ser muito pior, delegacias estão sendo atacadas. Tem que convocar a GLO, está mais do que na hora do Exército entrar nas ruas, não se pode deixar que os marginais tomem conta. Temos sim [que ter] a presença do Exército nas ruas para colocar esses bandidos no lugar deles”, afirmou Almeida. 

Em resposta ao site Amazônia Real, a assessoria de imprensa do Comando Militar da Amazônia informou, no entanto, que não recebeu um comunicado formal do prefeito de Manaus solicitando a GLO.

Os ataques teriam sido desencadeados, ainda entre a madrugada de sábado e domingo, após o assassinato de um dos líderes da facção pela Polícia Militar do estado, Erick Batista Costa, conhecido como “Dadinho”, na noite de sábado (5).

:: PF acusa desvio de R$ 22, 8 mi para o combate à pandemia no AM e prende seis ::

Os criminosos atearam fogo em praças, prédios públicos, escolas, agências bancárias, ônibus e até mesmo uma ambulância do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu). “Foram longe demais, um abuso extremo, que a sociedade não pactua e não aceita. Nem numa guerra atacam uma ambulância. Muito ousados, chega! Você que sabe onde estão esses marginais, denunciem, liguem para a polícia”, disse o prefeito.

:: Bolsonaro é "pessoa sem valor", diz liderança do Amazonas após visita do presidente ::

Prisões

Nas redes sociais, o governador Wilson Lima anunciou que 14 pessoas já foram presas, sendo um deles o líder dos ataques coordenados. Lima também afirmou que conversou com os ministros da Segurança Nacional, Anderson Gustavo Torres, e da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, sobre a necessidade de receber reforço de tropas federais.

“A minha determinação é a de que não sosseguem, não parem, até que todos os envolvidos estejam presos e que sejam devidamente punidos pelos atos que estão sendo praticados aqui na cidade de Manaus”, afirmou o governador. 

Após os ataques, Manaus amanheceu, nesta segunda-feira (7), com o funcionamento de escolas da rede municipal e ônibus do transporte público suspenso. Mas o prefeito garantiu que, com a ajuda do Exército nos postos de saúde, a vacinação contra o coronavírus está garantida, a partir das 11h.

Comando vermelho

A facção Comando Vermelho tem origem carioca, mas controla o tráfico na região amazonense desde 2020, quando derrotou a rival Família do Norte (FDN), em fevereiro de 2020, em meio a uma onda de assassinatos. Na ocasião, “vermelhou” era a mensagem difundida entre os criminosos que anunciavam a tomada da capital do Amazonas pela facção.

Edição: Vivian Virissimo