SOLIDARIEDADE

MST doa 1 milhão de marmitas e 5 mil toneladas de alimentos durante a pandemia

Desde 2020, o movimento vem conseguindo ajudar periferias urbanas e rurais pelo país a partir de campanhas

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Solidariedade de pessoas que compõem o movimento ajudou muitos que tinham fome - Divulgação/MST

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) já doou um milhão de marmitas e cinco mil toneladas de alimentos durante a pandemia do coronavírus. Desde 2020, o movimento vem conseguindo ajudar periferias urbanas e rurais pelo país a partir de campanhas de solidariedade.

Continua após publicidade

Também foram formados mais de dois mil agentes populares de saúde, que distribuíram cerca de 30 mil máscaras de proteção para população mais vulnerável por meio da campanha nacional Periferia Viva Contra o Coronavírus.

Continua após publicidade

De acordo com levantamento feito pela Lowy Institute, o Brasil já era, no ano passado, o pior governo na gestão da pandemia. Sendo assim, movimentos, instituições e entidades populares passaram a se organizar para reivindicar o direito à vida.

Continua após publicidade

:: MST completa 37 anos e mostra a força da agricultura familiar durante a pandemia ::

Continua após publicidade

Segundo Victoria Silva, militante do MST, da Brigada Dom Hélder - integrante da campanha Mãos Solidárias/Periferia Viva Contra o Coronavírus - de Recife (PE), a iniciativa é de extrema importância nesse momento difícil pelo qual o país está passando.

“A gente tem um governo que pouco ou nada ajuda, um auxílio emergencial que não dá para comprar um gás e uma cesta básica. Então, é algo muito nítido o quanto a população de rua aumentou e o quanto as pessoas precisam do mínimo”, explica.

Silva diz também que a necessidade da população chega a acontecer até para entender o que eles devem fazer para tomar a vacina, por exemplo. “Eu cheguei para entregar uma marmita e, quando vi o impacto que tudo isso tem na vida dessas pessoas, eu vi que, não só eu, mas todo mundo que tá ali é muito necessário para isso. A gente precisa dessa mobilização para ajudar o quanto se pode”, afirma.

Edição: Rebeca Cavalcante