Tentáculos

O que está por trás da massiva presença militar dos Estados Unidos na África?

Dossiê do Instituto Tricontinental expõe interesses em controle comercial e em recursos naturais que sustentam o cenário

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Christopher Cavoli (esquerda), comandante do Exército dos Estados Unidos na Europa e África ao lado do General marroquino Belkhir el-Farouk em cerimônia militar no Marrocos. - FADEL SENNA / AFP

Os Estados Unidos são hoje o país estrangeiro que mais tem bases militares no continente africano. Oficialmente, há 29 instalações em 15 países. Dossiê do Instituto Tricontinental aponta que os interesses por trás dessa presença massiva passam por uma tentativa de dominação e de controle político e econômico.

As razões, no entanto, vão além da simples confirmação de poderio militar. De acordo com o Plano de Operações Empresariais de Defesa Nacional dos Estados Unidos o “portfólio global consiste em mais de 568 mil ativos (edifícios e estruturas), localizados em cerca de 4,8 mil locais em todo o mundo”.

O dado está colocado no dossiê, que relembra que a discussão é presente no continente africano. Ela foi colocada em pauta, por exemplo, em uma reunião do Conselho de Paz e Segurança da União Africana, em 2016. No entanto, não houve avanço de medidas efetivas para conter a pegada militar dos Estados Unidos na região.

::"Sorria, você está sendo colonizado": tecnologia é instrumento de poder entre países::

De acordo com o documento elaborado pelo Instituto Tricontinental, não é só em quantidade que o poder de fogo estadunidense prevalece nas nações da África. Em caráter qualitativo, ele também é avançado, "esse caráter inclui a capacidade dos Estados Unidos de defender seus interesses no continente e de tentar impedir qualquer competição".

A partir desse controle, o país norte-americano consegue garantir domínio de recursos e mercados. O continente é rico em matéria prima para a produção de produtos que vão de armas à lâmpadas.

Além disso, o Triconental atenta para a tentativa de impedir o avanço da China na África. O dossiê traz um trecho da Nova Estratégia para a África do governo dos EUA (2019), que assumiu o tom competitivo.

::Artigo | Trump foi derrotado: o que esperar do imperialismo sob o comando de Biden?::

“Grandes potências concorrentes, nomeadamente a China e a Rússia, estão expandindo rapidamente sua influência financeira e política na África. Eles estão deliberada e agressivamente direcionando seus investimentos para a região para obter uma vantagem competitiva sobre os Estados Unidos”, afirma o documento estadunidense.

Ao relembrar as reflexões do ex-presidente de Gana, Kwame Nkrumah, no livro de 1965 Neocolonialismo: o último estágio do imperialismo, o dossiê do Tricontinental alerta que o cenário tem contornos históricos e não foi capaz de ser combatido nem mesmo pela Organização da Unidade Africana nem pela União Africana. 

"A presença duradoura de bases militares estrangeiras não apenas simboliza a falta de unidade e soberania; também impõe a fragmentação e subordinação dos povos e governos do continente", ressalta a pesquisa.

Edição: Rebeca Cavalcante