Assembleia de Deus

Veja: É proibido crente se filiar a partido de esquerda, diz pastor ao expulsar membro do PCdoB

Pastor Elias Cardoso, da Assembleia de Deus, disse que quem quiser se filiar a sigla de esquerda "tem que pedir baixa"

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
O pastor Elias Cardoso, da Assembleia de Deus: para ele, pessoas filiadas a partidos de esquerda não cabem na igreja evangélica - Reprodução

O pastor Elias Cardoso, da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, afirmou a centenas de fieis no último final de semana, durante celebração de culto em templo em São Paulo, que "é proibido crente se filiar a partido de esquerda". PT, PSOL e PCdoB foram algumas das legendas citadas pelo religioso, que disse ainda que aquele que se afiliar a alguma delas, tem que "pedir baixa da igreja". Assista abaixo.

::Domínio da fé e da política: o projeto de poder dos líderes evangélicos no Brasil::

Cardoso, que é presidente da Convenção Nacional das Igrejas Evangélicas Assembléia de Deus Ministério de Perus no Brasil e Igrejas Filiadas, afirmou ainda que os fiéis que se filiam a partidos de esquerda devem ser expulsos, por fazerem aliança com os “ímpios” (desumanos).

O líder reigioso não ficou apenas nas palavras, e efetivamente expulsou da congfegação o jornalista e ex-candidato a prefeito de Porto Velho (RO) pelo PCdoB, Samuel Costa, que protestou em suas redes sociais:

É espantoso ver tamanha ignorância vindo de um líder religioso e espiritual. Jesus veio pra salvar a humanidade e jamais fez qualquer tipo de discriminação. Ficamos magoados em saber que alguns líderes da IEAD ainda tenham tamanho preconceito com quem defende uma melhor qualidade de vida para todos sem distinção.

Tenho minha fé em Deus, mas jamais vou me permitir ser alienado por quem quer que seja. Entendo que o templo é um lugar para adoração a Deus e não para ser palanque político. Espero que o eminente Pastor Dr. Elias reveja seus conceitos errôneos e equivocados. Deus é amor!

::STF decide que estados e municípios podem proibir cultos e missas na pandemia::

Edição: Vinicius Segalla