Terceira dose

Prefeitura do RJ pretende iniciar reforço da vacina contra covid em idosos em setembro

Município aguarda retorno do Ministério da Saúde; possibilidade de encomenda vacinas com produtores não está descartada

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |

Ouça o áudio:

A ideia da prefeitura é realizar a distribuição do novo reforço de maneira escalonada a todas as pessoas com 60 anos ou mais - Reprodução

A Prefeitura do Rio de Janeiro pretende iniciar a aplicação da terceira dose da vacina contra a covid-19 em idosos a partir de setembro. A decisão é baseada na recomendação do comitê científico do município publicada no Diário Oficial nesta terça-feira (24). 

Continua após publicidade

Leia também: O que sabemos sobre a necessidade da terceira dose da vacina? O Programa Bem Viver responde

Na reunião em que os especialistas deram o aval para a terceira dose, a indicação foi de que seja iniciada a nova etapa o mais breve possível. Também que a dose seja aplicada independente do esquema vacinal já realizado, com a Pfizer ou a AstraZeneca.

A ideia da prefeitura é realizar a distribuição do novo reforço de maneira escalonada a todas as pessoas com 60 anos ou mais, em um processo que deve se iniciar pelos asilos e casas de repouso e está previsto para durar até novembro, segundo informações apuradas pelo jornal Extra.

Na recomendação, o comitê também sugeriu à prefeitura enviar um ofício ao Ministério da Saúde para que a pasta possa se planejar quanto à entrega das doses de reforço. A possibilidade de a prefeitura encomendar vacinas diretamente com os institutos produtores para garantir a execução da proposta não está descartada, mas antes a Secretaria municipal de Saúde vai conversar com o governo federal para saber se a medida será mesmo necessária.

Terceira dose em debate

Na quarta-feira da semana passada (18), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que se o reforço na imunização for estabelecido no país, a campanha vai começar pelos idosos e profissionais da saúde. Queiroga ponderou que a decisão ainda depende de estudos científicos e, o mais importante, da disponibilidade de doses. 

Um dia depois, na quinta (19), a secretária extraordinária de enfrentamento à covid-19, Rosana Leite de Melo, disse a órgãos de imprensa que o governo tem a quantidade necessária para reforçar a imunização entre idosos. A ideia seria começar as aplicações já em setembro e deixar crianças e adolescentes para o futuro.

No resto do mundo, decisões já começam a ser tomadas para levar o reforço da vacina à população. Em Israel a aplicação está acontecendo desde o início do mês. Os Estados Unidos definiram o início da revacinação para setembro. Na América Latina, Chile, Uruguai e Colômbia também já tomaram decisões nesse sentido.

Por outro lado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) demonstra preocupação com a falta de vacinas no mundo. A entidade criticou a corrida de países com maior poder econômico para disponibilizar a terceira dose. 

Na quarta-feira (18), a cientista-chefe da organização, Soumya Swaminathan, afirmou que há questões éticas e morais na administração do reforço nessas nações "enquanto o resto do mundo espera sua primeira injeção".

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse