Direito Trabalhista

"É a empresa do golpe", diz atendente de telemarketing da LIQ

Atendentes de empresa de telemarketing denunciam atraso de salários, demissão em massa e falta de pagamento de rescisões

Brasil de Fato | João Pessoa (PB) |
Paralisação de advertência, em frente a LIQ, realizado em maio deste ano. - Reprodução

Em maio deste ano, os atendentes da LIQ, empresa de telemarketing, localizada em João Pessoa (PB) no bairro de Mangabeira, fizeram uma paralisação de advertência para cobrar os pagamentos de salários atrasados. 

Continua após publicidade

::Atendentes da LIQ protestaram nessa quinta (13) pelo pagamento dos salários::

Para você entender o que é a LIQ, basta lembrar das atendentes e dos atendentes quando você recebe um telefonema ou entra em contato com as empresas Latam, Rappi, Abril, Santander e Oi para resolver problemas ou tirar dúvidas. Pois bem, é provável que ao fazer isso ou receber uma ligação, você esteja falando com um desses funcionários da LIQ, que hoje denunciam violações trabalhistas cometidas pela empresa.

Após três meses, a situação permanece a mesma. Denúncias de atrasos de salários, não cumprimento no pagamento de rescisão de trabalho e de férias, além do não pagamento dos planos de saúde dos funcionários que têm direito, além de atrasos nos pagamentos das passagens e ausência do pagamento dos bônus conquistados pelas metas atingidas.

Em depoimento ao Brasil de Fato, um dos funcionários nos revelou o drama de trabalhar para a LIQ. “Faz dez meses que trabalho na empresa.  Desses 10 meses, a LIQ pagou 4 no 5° dia útil do mês. Todos os outros foram em atrasos. Além disso, atrasam ajuda de custo para os trabalhadores que estão de home office, atrasam passagens”, disse um atendente que não quis se identificar.

Segundo os funcionários da empresa, essa é uma situação recorrente. “Os trabalhadores precisam tirar do próprio bolso para trabalhar e a gente só recebe um salário pra fazer tudo. Desde do ano passado estão contratando sem plano de saúde e alguns meses eles não repassaram o valor do plano de saúde. As pessoas iam para os hospitais e não conseguiam ser atendidas nos hospitais”, denunciou outro funcionário.

Segundo ele, “o foco principal da LIQ é provocar a demissão por justa causa. Estão demitindo os funcionários mais antigos para contratar novatos sem direitos. O mais importante é: eles demitem os funcionários e não pagam rescisão, muita gente não recebeu nem os papéis para dá entrada no seguro desemprego. Foram mais de 700 funcionários demitidos e só recebeu quem colocou advogado por conta própria. Gente que foi demitida e não deram baixa na carteira. Enfim, é uma bagunça. É a empresa do golpe”, desabafou.

Além dessas denúncias, outras mais graves, como o não recolhimento do FGTS e descontos indevidos no salários dos funcionários também estão sendo feitas. "O FGTS desde maio de 2020 que a LIQ não deposita e ainda por cima abriram duas contas e isso eu provo com prints. A LIQ também descontou o adicional noturno ano passado. Pessoas que trabalhavam de 19:40 às 02:00 recebiam um adicional de 20% e a empresa comeu 10% e até hj não sabemos onde está esse dinheiro. Além disso tudo, a empresa descontou passagem de gente que nem nunca utilizou o ônibus. Alguns tiveram descontos de R$ 500 no salário relativos à passagem, sem nem usar ônibus, um verdadeiro absurdo.", relatou indignada um outro atendente da LIQ.

::Funcionários da LIQ fazem paralisação e cobram pagamento de salários::

Muitos funcionários reclamam das pressões para cumprir as metas estabelecidas pela LIQ. A pressão vem também em forma de demissão ao tentar negociar troca de turno ou horários. “Muitos atendentes foram demitidos por tentar trocar o horário por causa da faculdade. E infelizmente as rescisões dessas pessoas ainda não foram pagas. Essas pessoas ficaram desempregadas e ainda sem renda nenhuma. Nem os papeis a LIQ liberou", afirmou uma atendente.

::LIQ chama polícia para retirar ex-funcionário que reivindicava rescisão de trabalho::

Procuramos o Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Estado da Paraíba (SINTELL-PB), que se pronunciou dizendo estar acompanhando toda a situação dos atendentes da LIQ. “O SINTTEL tomou todas as medidas cabíveis, desde paralisação de advertência, com repúdio na impressa local e nacional, através da nossa Federação. Como também com ingresso em Ação Coletiva, e denúncias junto ao MPT, MTE e solicitação de fiscalização da Vigilância Sanitária pelos relatos dos trabalhadores (as) das más condições no ambiente de trabalho”, declarou Marta Sena, presidente do SINTTEL-PB.

Procuramos a LIQ para explicar essa situação recorrente, mas não obtivemos respostas até o momento.

Fonte: BdF Paraíba

Edição: Heloisa de Sousa