POLÍTICAS PÚBLICAS

Peru: Pedro Castillo anuncia bônus, criação de empregos e produção de vacinas contra covid-19

Em primeiro discurso oficial um mês e meio após a posse, presidente peruano assegura que irá manter plano de governo

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela) |

Ouça o áudio:

Pedro Castillo anunciou a criação de um bônus para 13 milhões de pessoas, 260 mil novos postos de trabalho e a produção da vcina Sputnik V - Jose Luis Cristobal / AFP

O presidente do Peru Pedro Castillo ofereceu suas primeiras declarações oficiais após o discurso de posse, na noite de segunda-feira (6), anunciando uma série de medidas para diminuir os efeitos da pandemia de covid-19. "Com isso se confirmará que temos um rumo definido em defesa do país", assegurou o chefe de Estado. 

Continua após publicidade

Castillo criou o bônus Yanapay de 350 soles (cerca de R$ 440), que será pago a partir de 13 de setembro, para cerca de 13 milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Cerca de 70% da população economicamente ativa do Peru está empregada no setor informal. Para diminuir os gastos mensais dos trabalhadores, o presidente determinou a redução de 11 soles (R$ 13) no preço do gás de cozinha.

Também assinou um decreto para a transferência de 299 milhões de soles (cerca de R$ 375 milhões) a fim de criar 260 mil postos de emprego temporários em todo o território nacional.

Da mesma forma, declarou que a prioridade é reativar a economia nacional e, portanto nesta semana iniciará um pacote de 52 obras públicas com investimento de 114 bilhões de soles (aproximadamente R$ 143 bilhões), focados principalmente nas áreas de saúde e educação. 

:: Peru: o que esperar da presidência de Pedro Castillo :: 

Para o combate da pandemia, Castillo afirmou que seu governo já pode reativar 23 unidades de produção de oxigênio hospitalar. Ainda anunciou que o país irá instalar uma fábrica de produção da vacina russa Sputnik V. 

Até o momento, foram aplicadas 19 milhões de doses no Peru, sendo que 25% da população completou o ciclo de imunização. A meta do atual governo é vacinar 50% da população até o final de setembro com a expectativa de receber mais 12 milhões de doses das fórmulças da Pfizer e Sinopharm nas próximas semanas. "O governo está consciente de que sem vacina não haverá recuperação plena da economia", declarou Castillo. 

O Peru é o país com a maior taxa de letalidade por coronavírus do mundo, 5,95 mil mortos a cada 1 milhão de habitantes. Em total, 2,16 milhões de pessoas foram contagiadas com a doença e 199 mil faleceram. 

Castillo finalizou seu discurso com uma saudação em aymara e quechua, idiomas das maiores comunidades indígenas do Peru. Assegurou que nos próximos dias todos seus ministros irão informar um cronograma de trabalho detalhado, especificando a destinação de recursos de cada pasta.

Depois de um mês conturbado de gestão, com a renúncia do chanceler e uma campanha opositora no Congresso, o presidente destacou que seu gabinete está sob constante avaliação. "Os resultados falarão por si próprios, tenho a convicção que com o trabalho unido de todos os peruanos, conseguiremos o progresso do nosso país", concluiu o chefe de Estado.

Edição: Vivian Virissimo