pandemia

Aplicar imunizante diferente na 2ª dose é caminho para o Brasil? O Programa Bem Viver responde

Atritos de Bolsonaro com governadores atrasa entrega de vacinas contra Covid-19 e deixa população vulnerável

Ouça o áudio:

"Com o avanço da variante Delta é urgente fazer a segunda dose na população", diz médica - Giulian Serafim / PMPA
A forma como Bolsonaro opera cria instabilidade e dificulta o diálogo

Em um cenário de escassez de vacinas contra Covid19 e de crise política, na qual o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cria conflito com governadores e atrasa a entrega de imunizantes, estados passaram a aplicar vacinas de fabricantes diferentes na segunda dose, para tentar conter o avanço da variante Delta, mais transmissível. A chamada vacinação heteróloga não causa efeitos colaterais e nem prejuízos na construção da imunidade.

“O Ministério da Saúde autorizou, mas deu autonomia para os estados decidirem”, disse a médica de família e comunidade Nathalia Neiva dos Santos, da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, em entrevista ao podcast Covid-19 na Semana, repercutida na  edição de hoje (13) do Programa Bem Viver. “A mudança não atrapalha na construção da imunidade, nem causa efeitos adversos. Em um momento de falta de doses é uma alternativa. Com o avanço da variante Delta é importante fazer a segunda dose na população.”

A médica alerta que essa variação de imunizantes já foi feita no Brasil, com as gestantes. Elas tomaram a primeira dose da vacina da Astrazecena e, após ser registrado o risco de efeitos colaterais para esse público, receberam a segunda dose da Pfizer. “É uma ideia que pode permanecer em cenários futuros”, disse, lembrando que a medida é diferente da dose de reforço, indicada para idosos ou imunossuprimidos, com imunizantes da Pfizer ou Astrazeca, pelo maior grau de resposta nesta população.

Ainda assim a crise política que dificulta a distribuição de vacinas prejudica gravemente o país na contenção da pandemia, segundo avaliação da médica. “Essa forma como o governo opera, principalmente Bolsonaro, de tratar disputa com governadores, transferir responsabilidades e dificultar negociações com estados cria um clima de instabilidade e dificulta o diálogo”, pontuou.

:: Falta de vacinas e caos político: semana colocou Brasil em posição arriscada frente à pandemia :: 

Saúde mental

O Programa Bem Viver compartilha uma série especial sobre o Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção ao suicídio e o cuidado com a saúde mental, produzida pela Rádioagencia Nacional.

O episódio de hoje fala sobre iniciativas para manter o público idoso ativo e saudável. Apesar de a maioria das campanhas relacionadas ao combate ao suicídio serem voltadas para jovens, idosos também estão vulneráveis a depressão.

Um estudo organizado por pesquisadores da Universidade de Brasília, em 2020, aponta que embora não sejam os mais atingidos em números gerais, os idosos são o grupo etário com mais vítimas de suicídio a cada cem mil habitantes no país.

Para os pesquisadores, o quadro se explica pelo isolamento social, mas não nos termos da pandemia e sim ao fato de idosos passarem a morar sozinhos, recebem poucas visitas de familiares, perderem a rede de amigos e deixarem de praticar atividades físicas, educacionais ou artísticas.

Cacique Raoni

Na semana passada, o Cacique Raoni, indígena brasileiro reconhecido mundialmente por sua luta na defesa da Amazônia e dos povos da floresta, recebeu mais um prêmio. Ele ganhou o título de membro honorário da União Internacional para a Conservação da Natureza, em anúncio feito durante o Congresso Mundial da União, que acontece em Marselha, na França

A honra é concedida a cada quatro anos como um reconhecimento pelo excepcional serviço para a conservação da natureza e dos recursos naturais.

Cacique Raoni tem 91 anos e coleciona uma trajetória de resistência que iniciou ainda nos 1970. Uma das suas primeiras aparições públicas foi nos protestos contra a construção da rodovia BR-080, conhecida hoje como hoje MT-322, que afetaria a terra indígena Capoto Jarina. Em 1987 e 1988, ele teve protagonismo na garantia dos direitos dos povos indígenas na Constituição Federal.

Politicamente, ao longo dos anos, reuniu-se com líderes políticos para visibilizar a luta pela preservação da Amazônia e dos povos que habitam tradicionalmente o bioma. Atuou contra a construção da usina de Belo Monte e, em 2020, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz.

Ainda no ano passado, ele contraiu Covid-19, chegou a ser internado, mas se recuperou e segue firme e forte como uma inspiração para quem luta pela conservação ambiental.

Cine Marrocos

Quem é fã de cinema no Brasil ou quem mora na cidade de São Paulo certamente conhece o Cine Marrocos, espaço inaugurado no começo da década de 1950, e reconhecido como um dos cinemas mais marcantes da capital paulista.

Em 1954, ele chegou a receber o Festival Internacional de Cinema. Na época, diversos astros de Hollywood prestigiaram o evento, que ocorreu no centro de São Paulo.

De “o maior cinema da América Latina”, como era chamado, o Cine Marrocos faliu e foi oficialmente desativado em 1994 e desapropriado pela prefeitura paulistana em 2010. O prédio, então, foi ocupado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST).

Por alguns anos, mais de duas mil pessoas, entre brasileiros e imigrantes de diferentes países, viveram no local. Em 2016, porém, as famílias foram expulsas por determinação judicial, em uma ação de reintegração de posse.

Nos últimos meses da ocupação, o cineasta Ricardo Calil foi conhecer a história dos moradores e montou oficinas de teatro inspiradas em filmes exibidos no Cine Marrocos. O resultado é um documentário lançado recentemente nos cinemas, chamado “Cine Marrocos”, que chegou às telonas este ano. Em 2019, ele foi vencedor do festival de cinema É Tudo Verdade e está disponível na plataforma Globoplay.

Atualmente, o prédio do Cine Marrocos está trancado e sem uso. Segundo o diretor, a prefeitura de São Paulo havia elaborado um projeto para o uso do local, mas ele nunca saiu do papel.

Dia da cachaça

Hoje se comemora o Dia Nacional da Cachaça, um símbolo que marca a cultura e a história brasileira, mas que deve ser apreciado com moderação. Como se trata de uma bebida alcoólica, é preciso ter atenção, já que o alcoolismo é considerado uma doença pela Organização Mundial da Saúde que atinge não apenas a pessoa dependente, mas toda a família.

Com todos os cuidados, o Programa Bem Viver lembra que cachaça foi a primeira bebida destilada feita nas Américas, criada entre 1516 e 1532. Hoje, ela é um aspecto da cultura brasileira que gera renda para famílias, por meio da produção, da venda ou do turismo.


Confira os horários de transmissão do programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes