Povos tradicionais

Apanhadoras de flores sempre-vivas encaram desafios para manter renda e tradição de encantos

Prática secular e sustentável está sendo impactada pela presença de parques de conservação

Ouça o áudio:

São 12 comunidades tradicionais que reivindicam uma condição plena para coleta das flores sempre-vivas - João Roberto Ripper - Imagens Humanas

A coleta de flores sempre-vivas no chão da porção meridional da Serra do Espinhaço, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, é reconhecida como prática sustentável agrícola tradicional. Entre a beleza da flora e a dureza do ofício, a prática centenária é importante para o modo de vida de 12 comunidades tradicionais no território.  

Continua após publicidade

Em março de 2020, a coleta de flores sempre-vivas foi reconhecida como Patrimônio Agrícola Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). A prática extrativista faz parte de um sistema equilibrado com a natureza. A chamada “panha” de flores sustenta a utilização de quintais produtivos e a criação de gados de fundo de pasto, ou seja, soltos e sem ameaça ao bioma local.  


A apanhadora Dona Geralda costuma fazer poesias entre as jornadas de coletas de flores sempre-vivas / Arquivo pessoal - Dona Geralda Soares

Maria de Fátima Alves, mais conhecida como Tatinha, é uma das apanhadoras de flores sempre-vivas e faz parte da coordenação da Comissão de Defesa dos Direitos das Comunidades Extrativistas (Codecex). 

"É uma riqueza muito grande de produção nas comunidades e algumas conseguem produzir de tudo. A única coisa que precisa vir de fora é o sal. O resto tudo eles conseguem produzir, e sem veneno nenhum. As atividades do apanhador de flor eu acho que é como um carro-chefe porque tem a economia. Tem também as plantas medicinais que garantem a saúde, tem as benzeções, as crenças, religiões, os casamentos. Então o modo de vida envolve tudo isso. É toda essa tradicionalidade repassada de pai para filho. É esse povo da Serra fazendo ciência e passando isso para os seus descendentes", explica.  

Mas essa ciência popular e ancestral, feita com a natureza durante séculos, encontra barreiras para ser praticada. De acordo com Tatinha, a instalação de parques de conservação no local dificulta a tradição na coleta de flores. Enquanto Codecex, ela defende a presença das comunidades para a manutenção da biodiversidade local.   

Conheça mais experiências: acesse o podcast Momento Agroecológico 

"Até hoje eu não consigo entender uma natureza intocável, sem a presença humana [das comunidades tradicionais da Serra do Espinhaço]. Então, a área que temos lá é manejada, tem esse cuidado do homem, e, lógico, que com respeito. Mas tem a mão do homem ali, não é intocável. Então quando eles excluem, expropriam as comunidades, expulsam de seus territórios, a natureza vai acabando", ressalta. 

Ao mesmo tempo, Tatinha afirma que apenas as comunidades tradicionais são atingidas pelas áreas de instalação de parques nacional e estaduais de conservação. Ela cita que atividades como o monocultivo de eucalipto e a mineração ficam de fora dos planejamentos ambientais.  


A manutenção da prática tradicional é uma das pautas dos povos do território / João Roberto Ripper - Imagens Humanas

Em 2002, foi criado o Parque Nacional das Sempre-Vivas, administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). De acordo com a Codecex, sem consulta pública e proibindo a coleta de flores no local. Na esfera estadual, os parques que adentram a Serra do Espinhaço são as unidades de Biriri e do Pico do Itambé, geridas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) de Minas Gerais.    

Caminhos distantes 

Entre as disputas por um modelo de afirmação da apropriação popular ou de administração institucional, a região meridional da Serra do Espinhaço é o único local do planeta que guarda as cerca de 90 espécies de flores sempre-vivas. 

Há uma cadeia de comercialização das flores que garantem renda para as comunidades tradicionais. A maioria delas não agrega valor após uma coleta que pode levar a jornadas de meses longe de casa em uma altitude que varia entre 1.400 e 1.600 metros. 

As caminhadas também são atentas a cada centímetro, já, de acordo com a apanhadora Dona Geralda Soares Silva, as flores não guardam locais fixos na imensidão do campo. Geralmente são dezenas de quilômetros percorridos.  

"É uma profissão sofrida, porque é longe e você anda muito. Mas quando você chega e vê aquele campo branquinho parece que até o cansaço acaba. É tão satisfatório que você nem lembra mais que você tem que caminhar de duas a três horas para voltar", salienta. 

Dona Geralda mora na comunidade de Macacos, no município de Diamantina, em Minas, e costuma subir a serra desde pequena, em jornadas que podem durar o dia inteiro ou até meses fora de casa. 

Dona Geralda cita que o descanso noturno e as refeições, da atividade que é coletiva, são feitas nas lapas. Ou seja, nas grutas disponíveis. Assim, ela guarda sempre a memória afetiva do café quentinho pela manhã e do céu estrelado antes de dormir. 

Leia também: Tornar povos tradicionais "invisíveis" ajuda a tomar suas terras, diz antropóloga

Mas, para além da beleza natural, Dona Geralda também chama a atenção para se conhecer os aspectos sociais do território, nem sempre visíveis no turismo convencional.


Céu do território da porção meridional Serra do Espinhaço / João Roberto Ripper - Imagens Humanas

Como exemplo, a apanhadora de flores cita a dureza do ofício e também as dificuldades encontradas ao se deparar com as regras dos parques de conservação.

O fortalecimento para permanecer na atividade está enraizado na cultura que se expressa de diversas formas. Um exemplo está na poesia “Um sonho, a festa das sempre-vivas”. 

Subindo a Serra saímos todos a procurar
E lá no alto campo branquinho, todo florido 
O espetáculo vai começar 

O sol aponta no horizonte 
Clareando forte todo o lugar
E a florzinha abre os olhinhos 
Olha o horizonte e começa a bailar

No vai e vem de encantar 
Toda a plateia que aqui está 
É a sempre-viva, florzinha bela
Campo florido, cenário lindo deste lugar

É a bailarina das sempre-vivas sempre a bailar
É  um cenário de beleza igual
Teatro da vida, apanhadores todos felizes, no seu habitat 
Com as mãos cheias daquelas florzinha a coletar 

Campo branquinho, matas verdinhas
E os passarinhos, sempre  a cantar 
As borboletas, tudo é lindo neste lugar

Dormir na lapa, céu estrelado, fogão de pedra 
Foguinho aceso, café quentinho 
Comida boa, banho gelado
E um cenário de beleza igual 

E o espetáculo vai acabar
Os apanhadores de sempre-vivas
Para a suas casas irão voltar 
Mas ano que vem, o teatro da vida vai recomeçar

E as bailarinas das sempre-vivas lá vão estar
Num vai-e-vem de encantar 
E os apanhadores todos felizes lá vão estar
Para as sempre-vivas coletar.

Outro lado

O Brasil de Fato entrou em contato com o ICMBio sobre os questionamentos feitos pelas fontes desta reportagem. Até o momento de publicação, não houve resposta do ICMBio.

Já o IEF Minas Gerais encaminhou nota informando que a criação e gestão dos parques estaduais em Minas Gerais seguem as legislações vigentes. E que na época de criação das unidades citadas nesta matéria "houve levantamentos de campo e consultas locais, porém, os procedimentos àquela época eram diferentes dos atuais". 

A resposta cita ainda que é "incomum a ocorrência de sobreposição de territórios tradicionais com as Unidades de Conservação" nos parques estaduais da Serra do Espinhaço.

Sobre as alegações de dificuldades de manejo de uma prática considerada sustentável, o IEF afirma que "a legislação prevê a possibilidade de usos tradicionais nos parques até que seja encontrada uma solução definitiva para a colisão de direitos". O órgão ambiental alega estar aberto ao diálogo, desde que o uso dos povos tradicionais não comprometam a conservação das espécies e dos recursos naturais de um modo geral.

Por sua vez, o IEF cita que "a prática de extrativismo, tal qual é realizada desde gerações anteriores, não é comprovadamente sustentável, conforme descrito em alguns estudos técnico-científicos publicados em periódicos acadêmicos, que demonstram que as técnicas tradicionais provocaram a exaustão das populações das plantas exploradas, o que se manifesta há vários anos pela diminuição de suas populações e redução da área de ocorrência".

O IEF também ressalta que a maior parte do território de interesse para fins de extrativismo e, em específico para a coleta de sempre-vivas, encontra-se fora das unidades de conservação.

Além disso, o Instituto afirma que "as sempre-vivas são plantas sensíveis, raras e, atualmente, com muitas espécies ameaçadas de extinção, sendo que o extrativismo é uma das principais pressões sobre essas populações, responsável direto pela sua redução e da sua área de ocorrência". Além de citar artigos técnicocientíficos, a nota destaca a existência do Plano de Ação Nacional para a Conservação das Sempre-vivas (PAN das Sempre-vivas/ICMBio), além da demanda ser tratada também no Plano de Ação Nacional para a Conservação da Flora Ameaçada de Extinção da Serra do Espinhaço Meridional (PAN Serra do Espinhaço).

*Com a colaboração de Afonso Bezerra.
** Atualizada às 10h do dia 04 de outubro de 2021 com a resposta do IEF Minas Gerais

Edição: Douglas Matos