JOGO POLÍTICO

"ImpiXÔmetro": quase metade da Câmara não se posicionou sobre impeachment de Bolsonaro

Plataforma busca pressionar parlamentares e o presidente da Câmara para que seja autorizada a abertura de processo

|
Ao todo, 1.550 pessoas e 550 organizações assinaram pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro - Evaristo Sa / AFP

Para mapear o posicionamento dos deputados federais em relação ao processo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro, foi lançado na última sexta-feira (1º) o ImpiXÔmetro. A plataforma, elaborada pelo Desdobra Coletivo, permite analisar o placar atualizado de possíveis votos e também pressionar os parlamentares a apoiarem o processo.

Continua após publicidade

De acordo com o levantamento, se fosse colocado em votação hoje, o impeachment de Jair Bolsonaro receberia 117 votos favoráveis e 154, contrários. Os dados mostram que outros 241 parlamentares não tomaram uma decisão em relação ao impedimento.

:: Bolsonaro bate recorde de rejeição, segundo pesquisas dos institutos Ipespe e PoderData ::

A apuração feita pelo ImpiXÔmetro se baseou em uma busca nas redes sociais dos parlamentares, além de declarações à imprensa e consultas realizadas aos gabinetes nos últimos três meses. A categoria “No Muro” reúne todos aqueles que optaram por não divulgar sua posição ou que declararam não ter se decidido. De acordo com os organizadores, o objetivo é pressionar o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL), responsável por iniciar a tramitação de um dos 137 pedidos de impeachment apresentados contra o presidente.

“Acreditamos que não existe ameaça maior para a democracia, a diversidade e o combate à desigualdade do que o projeto político representado por Jair Bolsonaro”, aponta o jornalista e integrante do Desdobra Nicolau Soares. “A CPI da Covid tem mostrado todos os dias que houve uma opção deliberada por expor milhões de pessoas a um vírus mortal, baseada na bizarra teoria da ‘imunidade de rebanho’. Bolsonaro trabalhou diariamente contra as medidas de prevenção ao vírus. Ele e todos os envolvidos precisam ser responsabilizados, e isso começa com o processo de impeachment. Cada dia a mais de Bolsonaro no poder significa mais mortes e mais fome.”

:: Esquerda e direita se unem pelo "Fora, Bolsonaro": veja lista de atos pelo país ::

Impeachment de Bolsonaro

Ao todo, 1.550 pessoas e 550 organizações assinaram pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro. Foram enviados 138 documentos ao presidente da Câmara dos Deputados, sendo 86 pedidos originais, sete aditamentos e 46 pedidos duplicados. Até agora, apenas seis pedidos foram arquivados ou desconsiderados. Os outros 131 aguardam análise.

Neste sábado (2), a Campanha Fora Bolsonaro programou 260 atos pelo Fora Bolsonaro. As manifestações ocorrem em 256 cidades do Brasil e de outros 15 países. Em São Paulo, o ato nacional deve reunir representantes de 21 partidos, simbolizando a unidade entre a esquerda democrática e a direita liberal. Além disso, 10 centrais sindicais e uma ampla gama de movimentos sociais que compõem as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo também participam.

:: Minuto a minuto | Brasileiros saem às ruas contra Bolsonaro, em defesa da vida e da democracia ::

Especialistas apontam que há bases sólidas para o impeachment de Bolsonaro. No último dia 14, um grupo de juristas apresentou um parecer à CPI da Covid apontando crimes de responsabilidade que teriam sido cometidos pelo presidente na condução da pandemia, além crimes comuns e crimes contra a humanidade.

Qual é o trâmite?

São necessários dois terços dos votos (342) para que a abertura do processo de impeachment seja recomendado para o Senado (abstenções e ausências são votos contra a abertura do processo). Aprovado na Câmara, o Senado precisa aprovar na sequência o impeachment por maioria simples.