saúde mental

O que é burnout e como contornar problema? Acompanhe debate no Programa Bem Viver

Síndrome, cada vez mais frequente, é acirrada pelo aumento da competitividade e pela precarização da seguridade social

Ouça o áudio:

Especialista alertam para a importância dos momentos de descanso, sem relação com trabalho - Reprodução EBC
Temos um estilo de vida em que somos puramente trabalho

A síndrome de burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, é um problema cada vez mais frequente na sociedade contemporânea. O que pouco se debate é que, além de sintomas individuais, os casos também estão ligados a precarização da seguridade social, aumento da competitividade e busca desenfreada pelo lucro por parte de empresas e empregadores, comportamento crescente com acirramento da lógica neoliberal nas últimas décadas.

“A síndrome de burnout é uma categoria médica que vem mostrar como pessoas tem determinados sintomas pelo excesso de trabalho, responsabilidade e competição”, pontuou o professor de sociologia do Instituto Federal de Alagoas, Leonardo Siqueira, em entrevista à edição de hoje (7) do Programa Bem Viver. “No passado, se alguém da equipe tinha dificuldades, a cultura era de todos o ajudarem a superar. A partir dos anos 1970 esse paradigma muda e as gestões adotam a ideia de pressionar para ter maior ganho. Se ele estourar é substituído por outra pessoa”.

Os casos são especialmente complexos quando olhamos para o que o especialista chama de “base da pirâmide”, em especial as mulheres negras, maioria entre os trabalhadores mais pobres. “Desde sempre para elas o trabalho foi uma atividade precarizada, sem distinção entre espaço de trabalho e casa. Onde está o limite entre público e privado aí?”, questionou. “Temos um estilo de vida em que somos puramente trabalho. Se eu tenho algum fracasso a culpa é minha. Precisamos produzir espaços comuns e mexer nos ideais de felicidade que estão nas redes sociais.”

A síndrome de burnout foi nomeada e diagnosticada pela primeira vez em 1974, por um médico estadunidense. Ela se caracteriza, principalmente, por um estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes, seja no físico, emocional ou psicológico.

Fazendas na Caatinga

Nos últimos 36 anos, a área de agricultura na Caatinga cresceu em 1456% segundo levantamento da rede Mapbiomas, um coletivo que reúne diversas organizações voltadas à proteção ambiental no Brasil. Entre 1985 e 2020 houve um aumento de 1 milhão e 300 mil hectares de terra destinos à atividade.

Segundo os pesquisadores do Mapbiomas, não há como afirmar o tipo de cultivo que ocupa as novas áreas de plantação, mas é possível identificar o tamanho das fazendas. O que chama a atenção é que quase todas são propriedades de grande porte, o que indica que não são utilizadas por agricultores familiares ou outros tipos de cultivos direcionados há alimentação, que historicamente ocupam áreas menores.

A rede Mapbiomas vem lançando uma série de estudos sobre os impactos que os biomas nacionais sofrem com o avanço do desmatamento, a partir da reunião e da análise de dados coletados nos últimos 36 anos. O estudo sobre a Caatinga é o terceiro de uma série que vem sendo lançada desde final de setembro.

O mesmo levantamento aponta que só na Amazônia, foram destruídos no período um território de aproximadamente 80 milhões de hectares, o semelhante a toda área do Chile. Os pesquisadores destacaram também que a atividade da mineração cresceu em 650% na Amazônia e a pecuária e agricultura aumentaram em 130%.

O outro estudo da rede focou no Pantanal. O bioma perdeu 29% de área alagada em pouco mais de 30 anos e teve 57% do seu território incendiado pelo menos uma vez, sendo o bioma brasileiro que mais pegou fogo no período.

Plantando na capital paulista

É muito comum ouvir de moradores de São Paulo que estão cansados da cidade. Muitas vezes, a vontade dessas pessoas é se mudar para cidades menores e áreas rurais, com mais tranquilidade, ar mais puro e tempo para se alimentar com qualidade, comendo frutas e verduras orgânicas.

Mas, mesmo morando na metrópole, é possível ter acesso a alguns itens dessa lista: na borda da cidade existe um cinturão de terra destinada ao cultivo de alimentos orgânicos de qualidade. Trata-se do Ballaio Orgânico, uma iniciativa familiar que vem promovendo uma pequena revolução alimentar em São Paulo.

Além de cultivar e colher os alimentos orgânicos, o coletivo monta cestas de alimentos que são entregues a famílias da cidade semanalmente, com grande variedade.


Confira os horários de transmissão do programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes