DIREITO AO TRABALHO

Camelôs cobram autorização da Prefeitura do Rio para voltar a trabalhar no Centro da cidade

Ambulantes removidos há mais de um mês do Largo da Carioca protestaram nesta quarta-feira (27)

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Trabalhadores ambulantes ocuparam os trilhos do VLT no Largo da Carioca na quarta (27) - Movimento Unidos do Camelô (MUCA)

Vendedores ambulantes do Largo da Carioca, no Centro do Rio de Janeiro, protestaram na quarta-feira (27) contra a remoção dos camelôs do seu local de trabalho como parte das ações do projeto de lei “Reviver Centro” do prefeito Eduardo Paes (PSD).  

Continua após publicidade

Há mais de um mês, os trabalhadores foram removidos por conta da implementação do programa que promete revitalizar e transformar parte da região em área residencial. A categoria afirma que a Prefeitura do Rio não tem um projeto que contemple a permanência dos camelôs no Largo da Carioca. 

Continua após publicidade

Leia mais: Trabalhadores protestam contra retirada de camelôs da Nelson Mandela, em Botafogo (RJ)

Continua após publicidade

Segundo a coordenadora do Movimento Unidos do Camelô (MUCA), Maria de Lurdes do Carmo, a Prefeitura prometeu liberar a autorização para o retorno ou oferecer um novo local para os ambulantes, porém não cumpriu. A Polícia Militar dispersou os manifestantes que ocuparam os trilhos do VLT Carioca nesta quarta-feira (27).

Continua após publicidade

“Mais uma vez, sem resposta da Prefeitura, os camelôs aqui do Largo da Carioca, que estão cansados de serem enrolados pelo poder público, exigindo uma solução. As pessoas estão há um mês sem trabalhar, passando necessidade, porque a Prefeitura não cumpriu o combinado”, disse Maria dos Camelôs, como é conhecida, durante o protesto.

Ao Brasil de Fato, a Secretaria Municipal de Ordem Pública do Rio de Janeiro (SEOP) informou que existe uma lista de espera de camelôs que buscam regularização e realocação no Centro do Rio.

“O processo está sendo avaliado pela Coordenadoria de Controle Urbano, que está buscando locais apropriados para a alocação desses comerciantes ambulantes”, diz o texto.

 

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Clívia Mesquita