Para ouvir

Programa Bem Viver conversa com Maria Marighella e destaca debate sobre cultura e agroecologia

Neta do guerrilheiro baiano define filme dedicado ao avô como um "chamado à ação"

Ouça o áudio:

Maria Marighella é atriz, vereadora e neta do guerrilheiro baiano Carlos Marighella - Fabiana Reinholz
'Marighella' se torna uma espécie de lugar da confluência e da convergência da indignação coletiva

Lançado no Brasil oficialmente no dia 04 de novembro de 2021, o filme Marighella ganhou as telonas dos cinemas e exibições em espaços de resistência para discutir e preservar a memória do guerrilheiro baiano Carlos Marighella. 

A produção, dirigida por Wagner Moura, se consolidou como a mais vista no país desde o início da pandemia. E sua repercussão segue em curso, e é um dos destaques do programa Bem Viver desta sexta-feira (17). 

A edição traz uma entrevista com a atriz Maria Marighella, neta do revolucionário, que também faz parte do elenco do longa-metragem. Na conversa com a repórter Kátia Marko, ela conta sobre as etapas de gestação da obra e a define como um “chamado à ação”.

"É um filme que se torna não só uma peça da memória, uma peça da cultura, mas ele se torna uma espécie de lugar da confluência e da convergência da indignação coletiva. É um chamado à ação. Então, ele cumpre dois papéis: o da explosão, da convergência da indignação, mas também a confluência da ação coletiva”, ressalta. 

Outro destaque da cena cultural trazido pelo programa é a inauguração da estátua do cantor e compositor Itamar Assumpção. A homenagem pode ser conferida de perto no Largo do Rosário, 20, no bairro da Penha, Zona Leste de São Paulo. O artista negro se tornou referência da música independente do anos 1980, com composições carregadas de críticas sociais e criações que transitavam pelos diversos gênero musicais.

Produção sustentável 

A agroecologia também tem espaço garantido no Bem Viver. Nesta sexta-feira, você confere uma reportagem especial sobre o cultivo de café utilizando-se do sistema agroflorestal no assentamento Jacy Rocha, ligado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), no Sul da Bahia. 

Em pauta

Os impactos das fortes chuvas no extremo-sul baiano também são destaque na edição, que traz ainda as atualizações sobre a pandemia da covid-19, discussão sobre as condições trabalho de entregadores de aplicativos e um dica de curta-documentário sobre a comunidade San Agustín, um reduto da cultura afro-venezuelana.


Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Geisa Marques